Archive for the ‘Dica’ Category

Aplicativo pra smartphone para contratar motoboy

sexta-feira, outubro 18th, 2013

18-10-2013

Colega motoqueiro, uma novidade para todos, tanto profissionais quanto clientes. Um novo aplicativo para smartphones permite contratar motoboys em São Paulo.

Contratar serviços pelo celular já não é novidade. Para taxistas, existem algumas opções no mercado, mas para motoqueiros, é novo.

O app chama-se Vai Moto e foi desenvolvido para facilitar a vida do profissional e do contratante. “É bom para o motoboy aumentar sua renda durante seu tempo livre e também tem a vantagem de que toda a receita da corrida vai para ele, sem intermediários”, explica Bruno Mendes, diretor de operações da Vai Moto. A empresa cobra apenas a taxa de R$ 1,99 por corrida fechada pelo aplicativo.

Ainda novo, ele só funciona em São Paulo e tem pouco mais de mil motoboys cadastrados. A ideia é que em breve seja levado ao Rio de Janeiro e, depois, demais capitais. A meta é ter 40 mil profissionais cadastrados em seis meses.

Interessante, não? Motoboys e clientes podem baixar o aplicativo aqui. Boas corridas.

Até a próxima.

Supermotos que você vai encontrar Salão Duas Rodas

quinta-feira, outubro 3rd, 2013

03-10-2013-1

Colega motoqueiro, a cada dois anos rola em São Paulo o Salão Duas Rodas e alguns motoqueiros de plantão ficam agitados esperando pelas novidades. Então vamos falar um pouco das supermotos que você irá encontrar por lá entre os dias 8 e 16 de outubro.

A começar pela Honda, a linha de 2014 de todas motos até 300 cc ganharão novas cores. Pode aguradar um exemplar de cada no salão. A vedete dos brasileiros pode pintar também: a superesportiva média CBR 600 RR reformulada e reestilizada.

A conterrâna Suzuki já garantiu que seu grande lançamento do semestre estará por lá: a Inazuma 250, uma street com linhas baseadas na B-King. As novas Hayabusa com ABS e a GSX-R 1000 também tem rpesença garantida.

Ainda do Japão, a Kawasaki mostrará a Ninja 1000 2014. O modelo, que na Europa recebe o nome de Z 1000 SX aparece primeiro aqui, já que sua estreia por lá será no tradicionalíssimo Salão de Milão, em novembro.

Falando em Milão, a italiana MV Agusta tem tudo pra ser uma das marcas mais visitadas pelos amantes de motos potentes. Representada no Brasil pela Dafra, a marca confirmou três novos modelos: Brutale, F3 e Rivale, todos com motor de 800 cm³, além da atualização da versão 1090 da Brutale e da F4 RR. Sem contar que toda sua linha será nacionalizada até julho de 2014. Ou seja, a MV Agusta vale uma visita de todos os visitantes.

Fique ligado aqui para saber mais novidades. Em breve, abordaremos o que pode pintar em outras marcas.

Até a próxima.

Hora de comer poeira

quarta-feira, setembro 25th, 2013

25-09-2013-1

Amigo das duas rodas, se você tem algum espírito aventureiro, já deve ter pensando em tirar a moto do asfalto e por na terra. Primeiramente devemos saber que existem duas situações de andar na terra: um trecho de alguma estrada ou caminho ou para a prática de esporte, seja por lazer, seja profissionalmente. Se o seu caso for o último, nós que precisamos de dicas. Mas se, assim como eu, você só pensa em curtir, então vamos compartilhar algumas informações.

Vamos ao ponto: motos pra terra são preparadas pra isso. Nem pense em colocar sua naked urbana ou sua estradeira cheia de cromados numa pista barrenta. Caso encontre trechos não asfatados pelo caminho, reduza (bem) a velocidade.

Lembre-se que esses trechos são mais irregulares que o asfalto, a aderencia é menor (ainda mais quando não estamos com os pneus próprios para esse uso) e não há sinalização. A saída é trafegar realmente devagar e seguro.

Mas se você foi mesmo curtir um terrão e está iniciando nessa aventura, já deve ter separado uma moto para a ocasião. Porém é necessário alguns equipamentos diferentes também.

É fundamental estar acompanhado para evitar qualquer imprevisto. A terra obriga você a usar mais o frei dianteiro que o asfalto, por isso fique bem atento. Outra coisa comum é ver gente pilotar em pé na terra. Isso porque com o numero de buracos e solavancos castigam as costas do piloto.

Lembre-se que você precisa de alguns equipamentos específicos. Procure lojas especializadas que possam te ajudar. Mas capacete é sempre obrigatório.

No mais, boas aventuras.

Até a próxima.

Partindo pra rodovia

terça-feira, setembro 17th, 2013

17-09-2013-1

Hoje vamos falar com aqueles colegas motoqueiros iniciantes. Na verdade, com aqueles que, por mais que já pilotem suas motos no dia a dia, nunca pegaram estrada ou, se fizeram, foram poucas vezes.

A primeira coisa que você deve saber é que na estrada a velocidade média aumenta. Portanto, os equipamentos de segurança e os dispositívos de funcionamento da moto devem estar em ótimo estado. Cheque freios, corrente de transmissão, manoplas e etc antes de partir.

Importante também é manter um distância do veículo da frente para que seja possível enxergar obstáculos. Em alta velocidade, é fundamental que se tenha um espaço para reações.

Não invente: ultrapassagens devem ser feitas sempre pela esquerda. E nada de pilotar “em pé”, na posição normal, além de mais confortável, você tem mais controle da moto.

Durante a curva, não tangencie, siga a pista demarcada no chão. Em situação de neblina, como sempre, diminua a velocidade. Uma antena “corta-fio” é um item importante para de livrar de linhas de pipa, perigosíssimas. Em motos estradeiras, a bolha frontal faz esse papel.

No mais, atenção sempre. Boas viagens.

Até a próxima.

Viajando com sua moto - Cross Egypt Challenge

sexta-feira, julho 19th, 2013

19-07-2013-1

Lógico que você, colega motoqueiro, também gosta de pegar uma estrada. Imagina então percorrer nada menos que 2.400 km. Mais interessante: pelas estradas de areia do Egito. Mais interessante ainda: com um scooter de 150cc!

Parece loucura? Até é, mas essa é a proposta do Cross Egypt Challenge (desafio através do Egito) que chega a sua terceira edição. É um programa que conta com o apoio do Ministério do Turismo local e do Rotary Club International. E tem como finalidade não apenas divertir grupos de motociclistas, mas divulgar as belezas (que não são poucas) e o turismo no Egito.

O porta-voz do desafio, Ahmad Elzoghby explica: “foi pensado para trazer atenção global para o Egito e reforçar que este é um dos países mais incríveis para se conhecer”.

Anunciada em março, a atual edição abriu as inscrições para os aventureiros motociclistas de plantão de todo mundo. O passeio inicia-se em novembro e dura nove dias. Tudo começa na histórica cidade de Alexandria, passa pela capital do país, Cairo, faz paradas no oásis de Bahareya, e pelas históricas cidades de Farafa, Luxor e Sokhna até terminar a jornada “apenas” nas Pirâmides de Gizé, uma das sete maravilhas do mundo antigo.

Interessou, né? Ainda dá pra se inscrever no site (em inglês). A inscrição custa US$1.500 mais US$ 300 do aluguel do scooter. Este ano, ao contrário de outras edições, a organização permite uso de motos de até 850 cc, mas o grande barato mesmo é fazer a rota numa pequenina 150 cc.

Nunca participei, e ainda não é desta vez que participarei. Mas pode ter certeza, um dia eu vou!

Até a próxima.

Não é porque o inverno ta aí que você vai passar frio na moto

quinta-feira, julho 4th, 2013

04-07-2013-1

Motoqueiro, você já sabe: o inverno pode ser muito rigoroso pra quem anda de moto. Mas, também, não é preciso abandonar as duas rodas quando esfria; é só ficar atento.

Primeiramente, todas as dicas dadas aqui partem de uma premissa: você usará os equipamentos de proteção (capacete, luvas, botas e jaqueta apropriada).

Vamos lá. Nunca subestime o frio. Por mais que ele pareça fraco, lembre-se que sobre a moto a sensação térmica é bem mais baixa por causa do vento. Por isso, não tenha medo de utilizar várias camadas de roupa.

Uma boa pedida é a jaqueta própria para moto com forro térmico removível, pois ela também pode ser usada em dias mais quentes. Outra opção interessante são aquelas roupas “segunda pele”, muito comum entre atletas. Feita de tecido sintético, ela fica por baixo da roupa e evita que aquele ventinho entre em contato com a pele. Mesmo mais caras que as roupas de algodão, elas são extremamente eficazes e duradouras.

As luvas devem ser mais grossas que as normais. Muitas pessoas (eu incluído) sentem muito frio nas mãos, a ponto de perder boa parte da sensibilidade. Agora imagine pilotar uma moto assim… Não descuide.

Se o frio estiver realmente forte, uma balaclava (aquele tecido usado por pilotos profissionais para colocar no rosto) é uma amiga e tanto.

E se for fazer viagens longas ou em regiões, evite sair antes do sol nascer. A geada da noite deixa a pista muito úmida e, em alguns lugares, criam até uma pequena camada de gelo muito perigosa para o motociclista. Com o sol, o asfalto aquece um pouco, o suficiente pra derreter essa camada.

Até a próxima.

São Paulo espera 1.500 motos para desfile de 100 anos da Harley

quinta-feira, maio 30th, 2013

30-05-2013-1

Colega motoqueiro, se estiver em São Paulo nesse feriado frio e cinzento (pelo menos por aqui), lembre-se que vai rolar festas de 110 anos da mítica Harley-Davidson pó aqui.

A “brincadeira” começa sábado às 13h na Arena Anhembi e as motos partem do local às 14h30. Após o desfile, a marca promoverá uma série de atividades no Sambódromo, como shows de manobras e apresentação de DJs. A festa termina com show do grupo Capital Inicial (particularmente, acho que a escolha poderia ser melhor, mais condizente com a identidade rock’n’roll da marca).

As primeiras 1.500 motos Harley-Davidson no evento terão direito a estacionamento gratuito na Rua Professor Milton Rodrigues. O estacionamento para motos de outras marcas e automóveis fica na mesma rua, com acesso pelo portão 30, e custa R$ 30,00 para carros e R$ 20 para motos.

Além disso, os ingressos custam R$ 150 (inteira, com idosos, estudantes, crianças menores de 12 anos e membros do clube de clientes da H-D pagam meia) e R$ 40 para crianças de 6 a 12 anos. Menores de 6 anos não pagam, mas todos os menores deverão estar acompanhados dos responsáveis (claro).

Ingressos à venda em http://www.hd110anos.com.br/ ou http://www.ingressorapido.com.br/ e nas bilheterias no local do evento.

Nos vemos lá?

Até a próxima.

Não vale a pena ligar a moto “no tranco”

terça-feira, maio 7th, 2013

07-05-2013-1

Motoqueiro e motoqueira, você com certeza já viu essa cena: a moto de alguém não liga e o piloto decide “dar um tranco” pra “acordar o motor”. Isso é prejudicial?

Simples: sim. Mas por que se faz isso? Normalmente, porque a bateria está fraca demais para conseguir dar a partida. Então, primeiramente, vamos pensar em como não descarregar a dita cuja.

O maior “crime” para a bateria é esquecer a chave no contato da moto na posição “on” quando chega em casa ou no trabalho. Abusar da buzina ou segurar por muito tempo o botão de partida.

Mas dada disso impediu da bateria arriar e você pretende dar um tranco mesmo assim. Primeiro saiba que se a bateria “morreu” mesmo, ou seja, se as luzes no painel nem ameaçam ascender com o girar da chave, não é o tranco que poderá ligar o motor. Nesse caso, só recarregando ou trocando de bateria.

Agora vamos aos maiores problemas dessa ação. Existe um risco de encharcar o catalisador de combustível ao ligar a moto dessa maneira. Se isso acontecer, a peça terá de ser trocada e não é nada barato.

Também existe a possibilidade (bem remota) de rolar um calço hidráulico. Em motores carburados, isso faz com que o combustível vaze para a câmara de combustão. Se isso acontecer, na hora do tranco a biela vai para o espaço. Sentiu a gravidade?

Então o melhor a se fazer é seguir aquele ditado da sua avó: “prevenir é melhor que remediar”. Fique de olho na bateria e na sua validade sempre.

Até a próxima.

Andar de moto também tem desvantagens

quinta-feira, abril 11th, 2013

11-04-2013-1

É, meu amigo e minha amiga, nem tudo é um mar de rosas. Claro que eu gosto da moto e incentivo seu uso diário (apesar dos pesares, afinal moro em São Paulo e quem é daqui sabe o caos que é o tráfego diário). Mas não podemos deixar de elencar algumas desvantagens do uso da motocicleta, afinal se alguém quer entrar nesse mundo, tem que saber se precaver.

Primeiramente, vou deixar claro: motos não são tão seguras nem tão confortáveis quanto um carro. Mesmo que não sejam (e não são) tão perigosas e desconfortáveis como se diz, não dá pra comparar com um automóvel.

Esqueça ouvir música, ter ar-condicionado e ar quente quando quiser (existem motos que até oferecem isso, mas estamos falando de motos para o dia a dia). Também cuidado com as manobras de outros carros e motos, se o carro é só um “arranhão na lataria”, na moto pode ser um “arranhão na sua perna”.

Equipamentos de segurança são necessários quando não obrigatórios. O tal “arranhão” pode ficar só nisso com uma calça apropriada e protegida, ou pode virar uma fratura ou queimadura com uma bermuda. Você não tem cinto de segurança, então trate de arrumar um bom capacete e proteções.

Outro problema que você poderá encontrar é a chuva. Na maioria dos casos, fica inviável trafegar de moto. Pelos dois mesmos motivos elencados acima: conforto e segurança.

Uma que ninguém quer se molhar voltando pra casa ou, pior, indo para o trabalho. Outra que o asfalto fica escorregadio, principalmente nas áreas pintadas, como fixa de pedestres (lembre-se que no Brasil o trânsito não foi pensado pra motos).

Mas, como sempre, equipamentos ajudam. Existem jaquetas impermeáveis e com forro térmico removível. Isso evita fazer você passar frio e se molhar.

A moto não é um carro, não espere o mesmo conforto e facilidade, porém com vestimentas certas é possível usufruir o melhor que ela pode lhe oferecer.

Lembra-se de mais incômodos que a moto pode trazer? Manda pra gente.

Até a próxima.

Carro não é uma necessidade: cogite uma moto

terça-feira, abril 9th, 2013

09-04-2013-11

Olá, colega motoqueiro. Esse post é pra quem pensa em entrar no mundo das motos para uso cotidiano. Pra começo de conversa, afirmo com segurança: carro não é uma necessidade. Transporte, sim.

Se você já é motoqueiro de fim de semana, já sabe o que eu vou escrever agora. Se pretende entrar no mundo das motos ainda, repare: moto não é uma bicicleta motorizada. É um veículo completamente capaz de rodar na cidade (ou fora dela) com segurança e conforto.

Ainda existe muito medo em relação às motocicletas por conta da segurança, mas pilotando de forma segura e consciente, não tem o que temer. “Mas é muito assaltada.” Isso, infelizmente, é verdade. Também é uma triste verdade que esse tipo de violência não aflige apenas os motoqueiros.

Mas pense na economia de tempo e dinheiro que uma moto traz. Motos pequenas e mais baratas, ideias para o uso cotidiano, chegam a custar menos que transporte coletivo por mês! Com R$3 mil já se consegue comprar uma útil moto 0 km para uso urbano e consomem bem menos que um carro.

As vantagens não param por aí. É possível dormir mais tarde ou acordar mais cedo todo dia, pois a moto é muito mais rápida num trânsito intenso, chegando a ser até 4x mais veloz que um carro para o mesmo trajeto. E não estou falando de velocidade, mas de agilidade. Pilotando de maneira segura e respeitando os limites impostos nas vias.

Estacionar vai ser um problema a menos. Quantas vezes é preciso dar voltas e mais voltas no quarteirão procurando um lugar para balizar o carro? A moto você para em quase qualquer lugar. Sem contar que a maioria de shoppings e lojas não cobra estacionamento para motos.

Às vezes o que alguém precisa para o trânsito e a locomoção do dia a dia é uma moto e não um carro. Pense nisso, pode valer a pena adotar esse meio de transporte no cotidiano.

Amanhã falarei das desvantagens que podemos encontrar com uma moto.

Até a próxima.