Archive for março, 2009

Prorrogação da redução do IPI

terça-feira, março 31st, 2009

Uma boa notícia que pode ajudar todos que sonham em comprar uma moto. Os preços ainda são altos, mas qualquer descontinho é válido.O governo federal anunciou ontem, segunda-feira (30), a prorrogação por três meses da redução do IPI para veículos automotores, após avaliação de que a medida foi positiva para a atividade do setor.

Uma medida adicional do pacote anunciado nesta segunda é a eliminação da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) no preço das motocicletas — a alíquota era de 3%.

Essa medida também terá a contrapartida da manutenção dos empregos na Zona Franca de Manaus, que concentra a maior parte da produção de motocicletas no País.

A alíquota de PIS/Pasep incidente sobre motos será mantida em 0,65%, uma vez que esse recurso é destinado ao seguro-desemprego.

Após as reduções verificadas no primeiro mês do ano, a indústria brasileira de motocicletas apresentou leve crescimento na produção.

Segundo dados da Abraciclo - Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares - em fevereiro foram fabricadas 81.494 unidades, 9,6% a mais do que no mês anterior.

Apesar da diminuição de 4,6% sobre as vendas do mês de janeiro, que teve 21 dias úteis, em fevereiro foram vendidas 92.335 motocicletas, em 17 dias úteis.

Quando comparados números da média diária de vendas, o crescimento de fevereiro sobre o mês anterior foi de 18%.

Essa medida do governo ajudará a comprar uma moto? Como sempre, vocês respondem.

Fonte: Reuters e Abraciclo

Ducati planeja moto dragster

segunda-feira, março 30th, 2009

Sempre apresentando as novidades do mundo das motos, o blog apresenta nesta segunda o projeto da Ducati: a Vyper, uma moto dragster.A Vyper teria motor de 1400 cm³ capaz de alcançar 170 cv de potência

Uma máquina com visual totalmente novo e um propulsor de causar arrepios. Essa combinação pode estar prestes a “sair do forno” da fábrica da Ducati.

Apesar de a marca italiana negar, fontes do portal Terra na Europa confirmam que um protótipo de uma motocicleta maxi dragster está a caminho.

Recebendo o nome de Vyper, a moto “musculosa” viria para brigar no mercado com a Yamaha V-Max e a Harley-Davidson V-Rod.

Para realizar tal feito, a motocicleta seria equipada com propulsor bicilíndrico Testastretta de 1 400 cm³. Esse número proporcionaria um torque impressionante e chegaria a, no mínimo, 170 cv.

O chassi utilizado é o tradicional multitubular da Ducati. Outro detalhe interessante é a larga roda traseira, remetendo a um dragster.

Por enquanto é tudo especulação, mas eu não duvidaria. E vocês? Acha que vale a pena a montadora criar esta máquina?

Fonte: Terra

Freios ABS

sexta-feira, março 27th, 2009

O sistema de freio ABS é eficiente somente em pista molhada, com areia ou óleo? Ou será que ele deveria ser melhor em pista seca também por permitir chegar ao limite da frenagem?Afinal, ABS vale a pena ou é dinheiro jogado fora?

Em um uso geral, o ABS só tende a aumentar a segurança, não apenas em espaço de frenagem, isso é muito relativo.

Também em situações de pânico dentro de uma curva, ou frenagem imediatas entre outros acontecimentos onde se aja pelo impulso imediato, reflexo, é difícil dosar o quanto de força pode ser aplicada nos freios e na maioria das vezes o chão é certo.

Nesse caso o ABS vai diminuir muito o espaço de frenagem. Além disso, com o ABS temos a certeza de que se pode sempre usar 100% dos freios.

Poder contar com uma frenagem dentro da curva é fantástico, principalmente quando se leva uma fechada que seria praticamente impossível de corrigir.

No geral, o freio ABS só tem a somar segurança, corrigindo tudo o que os seres humanos possam ter de imprecisão.

Fonte: Duas Rodas

Tanque de reserva

quinta-feira, março 26th, 2009

Neste post explicaremos o funcionamento da reserva de gasolina das motos. A maioria das motos possui tanques de combustível com reserva, sendo raros os modelos que não possuem tal função.Aprenda abaixo um pouco sobre o tanque de gasolina da sua moto e sobre como a reserva de combustível funciona.

A reserva é uma pequena quantidade de combustível que fica “guardada” dentro do tanque de gasolina, e que serve para que você tenha um pouco de combustível para poder chegar ao posto de gasolina mais próximo para abastecer.

Muita gente acredita que o tanque de gasolina da moto é dividido em dois: um normal e um de reserva. Não é assim, o tanque é um só.

A gasolina da reserva e a normal na verdade são a mesma gasolina. A torneira de combustível possui 3 posições: On, Off e Res:

Na posição On, a gasolina é sugada a partir da ponta deste canudo, que fica em uma parte alta do tanque, ou seja, se o tanque está cheio, a ponta do canudo está submersa na gasolina, e então a gasolina vai para o carburador.

Quando o tanque esvazia até o ponto em que a ponta do canudo já não fica mais submersa, então o carburador passa a não receber mais gasolina.

Então, basta virar a torneira para a posição Reserva (Res) e a gasolina começará a ser retirada da parte mais baixa do tanque, da base do canudo, que ainda está submersa com gasolina.

Quando você encher o tanque de novo, tanto a reserva quanto o restante do tanque serão preenchidos com gasolina, e você poderá voltar a posição da torneira para ON.

Se você esquecer a torneira na posição Res, a gasolina será sempre retirada da parte inferior do tanque, e quando ela estiver acabando, você não saberá, pois você já está consumindo a gasolina da reserva sem perceber.

Portanto, sempre que for abastecer, lembre-se de voltar a torneira para a posição ON.

Motos com injeção eletrônica geralmente não tem a torneira de combustível. No lugar dela, existe uma bomba de combustível que possui uma boia dentro do tanque, que avisa quando o nível de combustível chega a um valor pré-estabelecido.

Assim, uma luz no painel se acenderá e um novo hodômetro será iniciado, para que você saiba quanto já consumiu da reserva e quanto ainda resta.

Fonte: Motos Blog

Honda NXR 150 Bros 2009

quarta-feira, março 25th, 2009

A Honda não havia feito nenhuma mudança significativa na NXR 150 Bros desde seu lançamento, em 2003. Agora inovou completamente. Do para-lama à rabeta, mudou tudo.Na dianteira, as linhas ficaram mais angulosas e a carenagem do farol foi projetada para se integrar ao paralama alto, característico do modelo.

As aletas do tanque ganharam volume e contribuem para fazer a Bros 2009 parecer uma moto de maior porte.

A rabeta foi substituída por um belo e funcional bagageiro fabricado em alumínio e nylon de alta resistência. O conjunto integra as alças da garupa e traz furação para se instalar um baúleto, útil para quem usa a moto como meio de transporte.

Outro detalhe estético, mas também funcional é o desenho do novo painel. Além de ter ficado mais moderno, traz um útil marcador de combustível e ainda luz de advertência da injeção eletrônica.

Neste novo modelo, o assento teve sua largura reduzida em 10 mm, mas sem prejudicar o conforto. Pelo contrário, melhorou o encaixe das pernas no tanque e facilitou apoiar os pés no chão. O guidão também tem novo formato, contribuindo com uma posição de pilotagem agradável e menos cansativa.

O motor da Bros tem menos potência que o da CG: máxima de 13,8 cv a 8.000 rpm (contra 14,2 cv no modelo street).

FICHA TÉCNICA

Honda NXR 150 Bros 2009
Motor: OHC, monocilíndrico, quatro tempos, arrefecido a ar de 149,2 cm³.
Potência: 13,8 cv a 8.000 rpm.
Torque: 1,39 kgfm a 6.000 rpm.
Alimentação: Injeção eletrônica PGM-FI (Programmed Fuel Injection), com partidaa pedal (KS) e elétrica (ES e ESD).
Transmissão: Cinco velocidades.
Suspensão: Dianteira por garfo telescópico com 180 mm de curso; traseira por balança monoamortecida com 148,6 mm de curso.
Freios: Dianteiro a tambor com 130 mm de diâmetro (KS e ES) e disco com 240 mm de diâmetro (ESD); traseiro a tambor com 110 mm de diâmetro.
Pneus: Dianteiro 90/90-19M/C 52P e traseiro 110/90-17M/C 60P.
Quadro: Berço semiduplo.
Dimensões: 2.045 mm de comprimento, 810 mm de largura, 1.138 mm de altura; 852 mm de altura do assento; 244 mm de distância mínima do solo.
Peso a seco: 116 kg (KS), 117 kg (ES) e 118 kg (ESD).
Tanque: 12 litros.
Cores: Vermelha; amarela; preta.
Preços: R$ 7.590 (KS), R$ 8.190 (ES) e R$ 8.690 (ESD).

Fonte: Infomoto

Injeção Eletrônica

terça-feira, março 24th, 2009

A injeção eletrônica é o caminho lógico para atingir o objetivo proposto pela PROMOT 3, porém, muitas montadoras não irão adotar o sistema de imediato.

Mas afinal, o que é a injeção eletrônica?

A injeção eletrônica é o componente responsável por misturar o ar e o combustível e enviar esta mistura ao motor. Antes, este trabalho era feito pelo carburador.

O carburador recebe o vácuo do motor, e este vácuo puxa o ar da caixa de filtro de ar para dentro dele, ao mesmo tempo em que puxa o combustível do reservatório inferior.

O combustível passa pelo giglê, este tem um tamanho fixo e que permite apenas a passagem de uma pequena quantidade de combustível. Então, dependendo do vácuo gerado e do tamanho do giglê, mais ou menos combustível é enviado para a mistura.

A injeção eletrônica não tem giglê, tem um (ou mais) bico injetor de combustível, e uma central eletrônica que controla quanto combustível será liberado pelo(s) bico(s) injetor(es) para que seja misturado ao ar. É ai que está a mágica.

Em um carburador, o tamanho do giglê é sempre fixo, portanto, a quantidade de combustível usado na mistura também é fixa, e é proporcional apenas ao vácuo gerado. Muito vácuo, muito combustível, pouco vácuo, pouco combustível.

Quem determina quanto vácuo será usado é o piloto ao acelerar a moto. Se ele acelera pouco, a borboleta se abre pouco e permite apenas uma pequena passagem do vácuo ao carburador.

O contrário acontece quando o piloto acelera tudo, abrindo completamente a borboleta e permitindo que o motor puxe todo o gás que puder para dentro de si.

Já na injeção eletrônica, o controlador eletrônico determina qual a melhor proporção de combustível para cada situação, independente de qualquer vácuo, e por isso normalmente é mais econômico e menos poluente que o carburador, pois não há desperdício de combustível.

Existem muitos tipos de sistemas de Injeção eletrônica, mas em todos eles, existe pelo menos um controlador eletrônico, um bico injetor e uma bomba de combustível.

O controlador possui em sua memória um mapeamento que determina a quantidade de combustível que deve ser usada para cada faixa de RPM do motor.

Este é o sistema mais simples, pois o mapeamento é fixo e não muda nunca. É como um carburador, porém, com a vantagem de ter um mapeamento mais eficiente do que o obtido por meio de um giglê.

Fonte Moto Blog

Lavando a moto

segunda-feira, março 23rd, 2009

Para manter a moto bonita e bem cuidada é essencial que seja feita uma boa lavagem de tempos em tempos. Este serviço pode ser caro de vez em quando. Sobra então para o proprétário lavar a máquina, o que além de mais barato, pode ser até terapêutico.

Quais cuidados devemos ter na lavagem da moto para evitar ferrugens? Existe algum produto em especial para evitar ferrugem ou para lavar a moto corretamente?

Lavar com xampu automotivo e utilizar cera líquida já são ótimas medidas para evitar o ferrugem.

Após a lavagem também é bom andar um pouco com a motocicleta para que a água escoe em pontos que possa estar acumulada.

Tome cuidado com os freios após a limpeza e evite utilizar produtos como querosene e diesel, estes podem ressecar borrachas e prejudicar contatos elétricos.

Fonte: Revista Duas Rodas

Segundo pesquisa: Andar de moto pode manter juventude

sexta-feira, março 20th, 2009

Pesquisador afirma que as motocicletas podem trazer benefício a seus usuários.

Imagine se ao mesmo tempo que você está dirigindo sua motocicleta, também treina seu cérebro. Parece bom demais para ser verdade. Mas é isso mesmo o que diz o cientista Ryuta Kawashima, em sua mais recente pesquisa.

De acordo com o japonês, a condução de motocicletas exige maior atenção do usuário, fazendo com que o cérebro envelheça com mais saúde.

Kawashima realizou, em parceria com a Yamaha Motor Company, experimentos na Universidade de Tohoku, no Japão.

Utilizando 22 homens de meia-idade, habilitados para motocicletas, mas que não andavam com os veículos nos últimos 10 anos.

Dividindo-os em dois grupos, um deles passou a utilizar motos e o outro carros e bicicletas.

Depois de dois meses, todos passaram por testes cognitivos e o resultado foi favorável ao grupo das motocicletas. “Mostramos que pode melhorar suas condições mentais apenas andando de motocicleta”, disse Kawashima.

Fonte: Terra

Moto para deficientes físicos

quinta-feira, março 19th, 2009

A Martin Conquest 1200 é uma moto fabricada em série exclusivamente para deficientes físicos.Usando uma BMW R 1150 R como base, a motocicleta sofre muitas adaptações para que os usuários possam subir no veículo com a própria cadeira de rodas, através de um acesso na traseira. Todos os controles da moto são manuais.

O projetista do veículo é o holandês Peter van Nooy, que perdeu os movimentos da cintura para baixo em um acidente de moto há 18 anos.

Van Nooy desenvolveu o projeto em colaboração com a empresa britânica Martin Conquest.

“Como essa moto é para cadeiras de roda, eles precisavam de alguém para ajuda-los a desenvolvê-la direito, porque seria muito difícil para alguém que não é deficiente fazer isso”, diz o holandês.

A Martin Conquest ainda não conseguiu encontrar um comprador na Holanda até o momento, já que a moto custa o equivalente a quase R$ 130 mil, um preço muito mais alto do que o cobrado na Grã-Bretanha, onde o modelo está venda desde 2005.

A máquina acelera de 0 a 100 km/h em 7,6 segundos e sua velocidade máxima é de 150 km/h. O motor é um 4 cilindros com 1 130 cm³ que gera 82 cv de potência 6 750 rpm.

Moto Guzzi V7 Café Classic

quarta-feira, março 18th, 2009

Cada vez mais os fabricantes voltam no tempo e criam releituras de motos que fizeram sucesso no passado. Entre os estilos “ressucitados” podemos destacar as café racers.

São motos naked, mas com o motor preparado e com visual o mais parecido possível com as motos de corrida do passado. Para isso, equipavam-se as motos com guidões mais baixos, pedaleiras recuadas e sem o espaço para a garupa.

No Salão de Milão de 2008 foi apresentada mais uma nobre representante do segmento: a italiana Moto Guzzi V7 Café Classic. No velho continente ainda há outras café racers: a inglesa Triumph Thruxton 900 e a Ducati Sport 1000 S.

A V7 Café Classic é a releitura de um modelo consagrado da marca nos anos 1970, a V7 Sport de 1972. Mantendo o puro estilo café racer, a Classic exibe semi-guidões presos nas bengalas, duas saídas de escape apontadas para cima e banco moldado de tal forma que pareça uma monoposto.

Rodas raiadas e uma dupla de amortecedores na traseira - com regulagens de pré-carga na mola -, complementam o desenho retrô da V7 Café Classic.

Motor

Vista de frente, a Classic impressiona pelo formato inusitado de seu motor. A tradicional motorização das Guzzi - um “V2″ com 90º de inclinação montado transversalmente - também equipa este modelo retrô.

Com exatos 744 cm³, o propulsor gera 48,8 cv de potência a 6.800 rpm e torque de 55 Nm a 3.600 rpm. Trata-se de um motor que esbanja sua força desde os baixos giros, tornando a pilotagem fácil e segura.

É válido lembrar que essa clássica moderna não surgiu para reinar nos números de desempenho, mas sim resgatar a essência desse estilo de motocicleta e oferecer muita diversão para o piloto.

Se o formato do motor é praticamente a assinatura da marca (como o boxer para a BMW), por dentro a tecnologia reina absoluta. O motor é alimentado por injeção eletrônica de combustível da Weber-Marelli e o escapamento traz catalisador e sonda lambda para atender às rigorosas normas antipoluição européias.

Além disso, o quadro desta Guzzi é um berço duplo feito em aço, abrigando o motor “V2″. Marcas de equipamentos de ponta também não faltaram na italiana. Marzocchi (suspensão dianteira) e Brembo (freios) compõem a lista de itens de primeira linha.

Fonte: Infomoto