Archive for maio, 2009

BMW tem moto conceito para o futuro

sexta-feira, maio 29th, 2009

bmw concept innovation

Pensando no amanhã, a BMW criou este ano um concurso com criações de motocicletas futuristas.A 1ª edição do BMW Motorrad Innovation Contest já está em andamento e muitos projetos interessantes estão sendo divulgados.

Como todos sabem, um conceito não necessita de soluções técnicas efetivas. O intuito, na verdade, é deixar as ideias fluírem. Desse modo, coisas diferentes acabam surgindo, como o desenho enviado para a marca alemã.

O conceito trata-se de uma motocicleta, porém, os comandos de aceleração e freio parecem estar nos pés. Além disso, ao invés de um guidão, a direção é feita por meio de um volante.

Pela foto, percebe-se que a máquina tem rodas “calçadas” por pneus Dunlop. Quem sabe logo não vemos nas ruas uma modelo BMW baseado neste conceito.

Fonte: Terra

Linha de crédito para compra de moto para trabalho

quinta-feira, maio 28th, 2009

motofreteO Codefat (Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador) autorizou nesta quarta-feira (27) a abertura de duas linhas de crédito com recursos do fundo.

A primeira, no valor de R$ 100 milhões, é destinada à compra de motocicletas por pessoas que usam esse tipo de veículo para trabalhar, como os motoboys.

A linha de crédito incentivará a categoria dos motofretistas, pois proporciona melhorias na condição de trabalho dos profissionais do segmento e colabora para a modernização da frota.

A segunda linha de crédito, no valor de R$ 200 milhões, destina-se à formação de capital de giro em empresas de turismo.

Para a linha de crédito entrar em vigor, a medida precisa ser publicada no “Diário Oficial da União”.

Condições :

Segundo o Ministério do Trabalho, podem ter acesso a linha “FAT-Motofrete” pessoas físicas autorizadas, trabalhadores autônomos inscritos no INSS ou classificados como motociclistas no transporte de pequenos valores.

A linha prevê o financiamento de 100% para motonetas ou motocicletas novas, de até 150 cilindradas, incluído o seguro inicial. O prazo de contratação do crédito pode ser em até 48 meses, com taxa de juros que varia de 6% a 18%.

O financiamento terá três taxas de juros, de acordo com o prazo: em 24 meses, a taxa efetiva final será de 6% ao ano; em 36 meses, 12% ao ano; e em 48 meses, 18% ao ano.

Fonte: Folha de São Paulo

Yamaha XVS 950 Midnight Star

quarta-feira, maio 27th, 2009

yamaha-midnight-star

No diversificado mercado brasileiro de motos custom, com modelos que vão de 150 a 2.300 cm³, a Yamaha lança no país a XVS 950 Midnight Star, estradeira de quase 1000 cc.

O modelo, projetado para cativar um público mais jovem, irá substituir a Drag Star 650, carburada que não atendia à terceira fase do Promot.

A Midnight Star impressiona pelo porte, visual, conforto e tecnologia de ponta, além de um robusto motor de dois cilindros em “V”.

O painel sobre o tanque traz informações básicas: velocímetro e luzes espia. A pequena tela de LCD, com regulagem de brilho, oferece ao motociclista um hodômetro total, dois parciais, fuel trip e relógio.

Detalhe: o ajuste da iluminação é operado por um interruptor no punho dopainel-yamaha_midnightstar1 lado esquerdo, permitindo que o piloto aumentar ou diminuir o brilho da exposição do LCD.

A ignição da XVS 950 fica logo a frente do guidão, sobre o corpo do farol que está pintado da cor da moto, em vez do miolo da chave estar na lateral da coluna de direção ou ao lado do motor, como em outros modelos custom

Agora, a Midnight Star é a única custom comercializada pela Yamaha no Brasil.

Ficha Técnica:

Motor: Dois cilindros em V a 60º, quatro tempos, refrigerado a ar.
Potência: 53,6 cv a 6.000 rpm.
Torque: 7,83 kgfm a 3.000 rpm.
Diâmetro x curso: 85 mm x 83 mm. Taxa de compressão: 9,0:1.
Cilindrada: 942 cm³.
Alimentação: Injeção eletrônica. Partida elétrica.
Câmbio: Cinco velocidades com transmissão final por correia dentada.
Chassi: Berço duplo de aço.
Suspensão: Dianteira por garfo telescópico, com 41 mm de diâmetro e 135 mm de curso; traseira por monoamortecedor com 110 mm de curso.
Freios: Dianteiro a disco simples de 320 mm; traseiro a disco simples de 298 mm.
Pneus: 130/70 x 18 M/C 63H (dianteiro); 170/70B x 16 M/C 75H (traseiro).
Dimensões: 2435 mm (comprimento), 1.000 mm (largura) x 1.080 mm (altura); 1685 mm (entre-eixos); 675 mm (altura do assento ao solo); 145 (altura mínima do solo).
Tanque: 17 litros.
Peso: 261 kg.

Preços e cores: R$ 34.600 (preta) e R$ 34.900 (vermelha).

Fonte: Uol

Saída da Garagem

terça-feira, maio 26th, 2009

Esta é uma dica valiosa para os motoqueiros.

Existem muitas saídas de garagem que não permitem ver se há carros garagemsaidaquerendo sair, até que se esteja exatamente na frente delas. Isso é causado por muros, construções ou mesmo por ser uma rampa subterrânea.

Assim, se o motociclista vem descendo a rua é colisão na certa. Comece a diminuir a velocidade sempre antes da garagem, para atravessar ela com cuidado, pois assim poderá frear ou desviar a tempo.

Seja previdente, antecipando os perigos do caminho, e estará no rumo certo.

Fonte: Moto Mania

Honda faz recall da Biz 125 2009

segunda-feira, maio 25th, 2009

biz1251

A Honda convoca proprietários da moto Biz 125 2009, com os chassis abaixo, a comparecer a uma concessionária a partir de hoje (25) para substituir o cabo do acelerador.

Segundo a marca, algumas unidades podem apresentar oxidação acentuada no componente, dificultando a desaceleração do motor, podendo levar à perda do controle e queda da motocicleta.

A Honda sugere agendamento com a concessionária de preferência do proprietário. Os endereços e telefones podem ser obtidos pelo tel. (0800) 770-5125 ou no site www.honda.com.br.

Segundo a empresa, a campanha se estenderá até 25 de novembro de 2009. O Procon alerta, no entanto, que a marca é obrigada a fazer a substituição enquanto houver produtos com defeito no mercado.

A Honda não divulgou quantas unidades estão envolvidas no recall.

Confira versões e chassis convocados:

Versão KS: chassis de 9C2JC42109R000006 a 9C2JC42109R101500

Versão ES: chassis de 9C2JC42209R000016 a 9C2JC42209R105000

Versão Mais: chassis de 9C2JC42309R000012 a 9C2JC42309R101250

Fonte: Interpress Motor

Não compre gato por lebre

sexta-feira, maio 22nd, 2009

Para comprar uma motocicleta usada em boas condições, além da aparência do produto, o consumidor deve conhecer e estar atento a detalhes técnicos que são fundamentais para a segurança e tranquilidade do piloto e do garupa.

Na parte elétrica, por exemplo, problemas nas luzes de freio, piscas, lanternas, farol, painel e buzina são mais aparentes, e podem ser facilmente identificados. É importante ressaltar que estes são itens de segurança e, se não estiverem em ordem, podem acarretar multas e até acidentes.

Veja se há vazamento do fluido de freio ou desgaste excessivo das pastilhas - no caso de freio a tambor, observe o estado das lonas.

A análise do motor, por sua vez, é uma das etapas que mais exige cuidados por parte do motociclista. Inicialmente, note se não está ocorrendo motodesenhovazamento de óleo no cabeçote e nas tampas laterais, localizadas na parte inferior do motor. Em seguida, dê partida na motocicleta, aguarde o aquecimento do motor e a estabilidade da marcha lenta, e então acelere até o primeiro traço vermelho do conta-giros.

Caso a motocicleta não possua o equipamento, acelere continuamente evitando permanecer com o curso total do acelerador por tempo prolongado. Se a aceleração demonstrar dificuldade ou fadiga, pode significar, entre outros motivos, que há peças com vida útil comprometida.

Para tirar a conclusão final, acelere e desacelere contínua e bruscamente. Veja se a fumaça eliminada pelo escapamento apresenta cor azulada. Caso a resposta seja positiva, o motor está queimando óleo, e o mais prudente é não adquirir a motocicleta nesse estado.

Também é interessante ouvir atentamente o ruído do motor, constatando a presença excessiva de “sons metálicos” anormais ao modelo da motocicleta. Já a compressão pode ser medida por meio da redução de marchas em motocicletas com motores de 4 tempos. Nessa situação, o correto é o motor apresentar uma redução sensível na velocidade durante a desaceleração.

O chassi da motocicleta é outro item que precisa ser analisado. Cheque se a suspensão está perfeitamente alinhada, observando o alinhamento entre as rodas dianteira e traseira, e se a carenagem está bem encaixada. Caso perceba algo fora do normal, não efetue a compra, pois uma motocicleta com o chassi danificado poderá apresentar diversos outros defeitos.

Observe atentamente também os rolamentos e as buchas de suspensão traseira. Na dianteira, verifique possíveis vazamentos no retentor do cilindro interno das bengalas. Esses procedimentos podem ser mais bem testados, pilotando-se o modelo em pisos acidentados.

Para verificar quanto a uma possível adulteração, os 6 últimos dígitos do número do chassi e do número do motor devem coincidir (exceto para modelos anteriores a 1994). Se os mesmos estiverem diferentes ou se a identificação do motor estiver apagada, desalinhada ou houver qualquer sinal de alteração desista da compra.

Fonte: Honda

Contran estabelece normas para ciclo-elétrico

quinta-feira, maio 21st, 2009

denatran1

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou nesta quarta-feira (20) a Resolução 315, que equipara os veículos cilclo-elétricos aos ciclomotores.

Segundo a Resolução, para circular em vias públicas os ciclo-elétricos deverão possuir espelhos retrovisores, farol dianteiro de cor branca ou amarela, lanterna traseira de cor vermelha, velocímetro, buzina e pneus que ofereçam condições mínimas de segurança.De acordo com a Resolução, o ciclo-elétrico é todo veículo de duas ou três rodas, provido de motor de propulsão elétrica com potência máxima de quatro quilowatts, cujo peso máximo, incluindo o condutor, o passageiro e a carga, não exceda a 140 kg e cuja velocidade não ultrapasse 50 km/h.

Segundo a norma, a bicicleta dotada de motor elétrico também é considerada ciclo-elétrico. A Resolução do Contran entra em vigor nesta quarta-feira.

Fonte: Denatran

Triumph Tiger 1050

quarta-feira, maio 20th, 2009

Foi-se a época em que os modelos big-trail eram sinônimos de motos puramente off-road, prontas para encarar qualquer terreno. De uns tempos para cá, elas se “urbanizaram”, deixando de lado o caráter fora-de-estrada.

Bom exemplo disso é a Triumph Tiger 1050. A remodelação feita em 2007 trouxe, além do motor de três cilindros em linha com maior capacidade tiger(1.050 cc), diversas novidades que deixaram a inglesa muito mais on-road.

Classificada pela Triumph em sua linha de Urban Sports, a Tiger se propõe a ser uma companheira ideal para pegar a estrada e viajar muito. Seja uma rodovia com quatro pistas ou uma serra travada de mão dupla.

Ficha Técnica: Triumph Tiger 1050

Motor: Três cilindros em linha, 12 válvulas, DOHC, com refrigeração líquida.
Potência: 115 cv a 9.400 rpm.
Torque: 10,2 kgfm a 6.250 rpm.
Capacidade cúbica: 1.050 cm³.
Transmissão: Seis marchas.
Alimentação: Injeção eletrônica multiponto sequencial.
Partida: elétrica.
Quadro: Dupla trave superior em alumínio.
Suspensão: Dianteira com garfo telescópico invertido Showa totalmente ajustável e com 150 mm de curso; Traseira por balança monoamortecida Showa totalmente ajustável e com 150 mm de curso.
Freios: Disco duplo de 320 mm de diâmetro e pinça Nissin de quatro pistões fixada radialmente com ABS na dianteira; Disco de 255 mm de diâmetro e pinça Nissin de dois pistões com ABS na traseira.
Pneus: Dianteiro 120/70 ZR 17 e traseiro 180/55 ZR 17.
Dimensões: 2.110 mm de comprimento, 840 mm de largura, 1.320 mm de altura, 1.510 mm de entre-eixos e 835 mm de altura do assento ao solo.
Tanque: 20 litros.
Peso: 201 kg a seco.

Preço: R$ 47.900.

Fonte: Uol

Dafra ultrapassa Suzuki em vendas

terça-feira, maio 19th, 2009

A Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) divulgou um resumo mensal de vendas referente a abril de 2009. O grande destaque do mês foi a Dafra, que com 7 302 unidades comercializadas, passou à frente da Suzuki no ranking de vendas.

Depois de muito tempo em 3º lugar, a Suzuki obteve a marca de 7 239 motocicletas em abril. Mesmo ultrapassada pela Dafra no mês, a marca japonesa continua no 3º posto de mais vendidas no acumulado do ano, com 30 219 unidades, contra 24 383 da Dafra.

Comparando com março, as vendas de motocicletas no mercado brasileiro dafraapresentaram queda de 9,08% e no acumulado de 2009 as compras recuaram 18,55%, comparando com o mesmo período do ano passado. Em relação a abril de 2008, as vendas caíram 27,19%,

Ranking de marcas / abril de 2009:

1. Honda 86 958 unidades 68,69% participação no mercado
2. Yamaha 17 203 13,59%
3. Dafra 7 302 5,77%
4. Suzuki 7 239 5,72%
5. Sundown 3 427 2,71%
6. Traxx 1 320 1,04%
7. Kasinski 532 0,41%
8. Shineray 408 0,32%
9. Dayun 273 0,22%
10. CTM 235 0,19%

Acumulado de 2009 até abril:

1. Honda 345 829 unidades 69,63% participação no mercado
2. Yamaha 63 534 12,79%
3. Suzuki 30 219 6,08%
4. Dafra 24 383 4,91%
5. Sundown 16 513 3,32%
6. Traxx 4 406 0,89%
7. Kasinski 1 902 0,38%
8. Shineray 1 672 0,34%
9. CTM 906 0,18%
10. Dayun 906 0,18%

As 10 motos mais vendidas no acumulado de 2009:

1. Honda CG 150 Titan 112 555 unidades
2. Honda CG 125 Fan 110 499
3. Honda Biz 125 54 957
4. Yamaha YBR 125 38 631
5. Honda NXR 150 Bros 20 472
6. Honda CBX 250 Twister 19 999
7. Suzuki EN 125 Yes 18 886
8. Dafra Speed 150 12 948
9. Honda Pop 100 12 246
10. Yamaha Fazer 250 8 975

Fonte: Terra

Cuidado quando quiser colocar um pneu mais largo

segunda-feira, maio 18th, 2009

Diversas motos — desde pequenas 125 cc até nakeds de alta cilindrada — são “alvo” da moda que prega a troca de pneus de medidas originais por modelos mais largos e pode acabar se revelando perigosa. Entenda o porquê.

Pneus com perfil mais alto ou mais largo podem trazer prejuízos com quebra de componentes, desgaste prematuro da relação e da banda de rodagem do próprio composto, além disso, o consumo aumenta. Ocorre um tem desgaste prematuro devido ao pneu ser mais pesado, afeta o velocímetro e o hodômetro.

E os problemas não param por ai. Outros componentes como a balança, pneulargoprotetor de corrente e para-lamas podem sofrer avarias com o componente fora das especificações originais.

Corre-se o risco do pneu mais largo não entrar na balança, raspar no para-lama dianteiro e na parte inferior do paralama traseiro. Neste último caso, o pneu pode raspar no para-lama antes da suspensão chegar ao final do curso, acarretando em uma possível quebra da peça plástica.

Se o motociclista não souber qual a medida original dos pneus da moto, deve consultar o manual do proprietário. Lá estão informadas as medidas e pressões corretas a serem utilizadas. Não tem como errar.

Fonte: Uol