Archive for janeiro, 2013

Pneu novo na moto requer maior atenção

quinta-feira, janeiro 31st, 2013

31-01-2013-1

Imagine que você acabou de pegar uma moto 0 km, novinha, linda. Ou então trocou os pneus daquela sua companheira de longa data. A vontade é de dar uma volta com a nova aquisição. Mas cuidado, pneus novos podem derrubar qualquer piloto.

Vamos explicar o motivo. Quando um pneu sai da fábrica ele está coberto com uma espécie de cera. O produto é colocado para tirar o pneu do molde na hora da fabricação.

Acontece que esse produto (que leva silicone em sua fórmula) é escorregadio. Já viu o que pode acontecer?

Um pneu novo ainda não tem a aderência de um pneu pouco rodado. Então, quando sair da oficina ou da concessionária, vá devagar. Alguns poucos quilômetros são suficientes para retirar a camada de cera do pneu. Mas nessas primeiras voltas, sua moto não agarra na pista como deveria.

Na internet você encontra “receitas” de como tirar a cera do pneu: lavar, lixar, passar palha de aço… Nada é tão eficiente como uma voltinha em baixa velocidade, fazendo curvas para esquerda e direita.

Pneu novo é ótimo, mas nada de sair arrepiando, antes disso você precisa deixa-lo pronto. E isso se faz no asfalto, ok?

Só uma última dica. Em automóveis é comum passar o famoso “pretinho” no pneu, pra deixa-lo brilhante e chamativo. Em uma moto, jamais faça isso. Esse produto é feito a base de silicone, o mesmo componente da cera que vem de fábrica. Viu o resultado? Isso vai deixar seu pneu liso e sem a aderência necessária, aumentando o risco de uma deslizada ou uma queda.

Segurança vem em primeiro lugar, deixa a beleza para segundo plano.

Fique sempre atento e até a próxima.

AGV lançará mais uma réplica do capacete de Valentino Rossi

quarta-feira, janeiro 30th, 2013

24-01-2013-1

A AGV é uma das maiores e melhores fábricas de capacete do mundo. E além da qualidade incontestável, patrocinam o maior piloto da Moto GP: Valentino Rossi.

Claro que eles sabem usar isso para promover seus produtos. O casco usado por Rossi no último ano de Moto GP será lançado ao público. Não só os grafismos chamativos já tradicionais na cabeça do piloto, o novo modelo, chamado de Pista GP, traz inúmeras novidades e chega para ser top de linha da marca.

O novo formado é mais anatômico, mais próximo a um crânio humano, o AGV Pista GP pesa apenas 1250g e apresenta diversas inovações quando comparado com o GP-Tech. Segundo a fábrica italiana, o Pista GP tem 193% mais de ventilação e transmite 36% menos força à cabeça do piloto. Ainda garantem que ele é 47% mais seguro contra lesões se comparado ao GP-Tech (que já é extremamente seguro e confiável).

O ângulo de visão também esta maior. O próprio Valentino Rossi disse que é como “mudar da TV para o cinema”.

Porém a réplica é para poucos. Ainda em pré-venda na Europa, o casco custa, por lá, cerca de R$ 2.615,00. Por aqui, importado, seria vendido por uns R$ 1.000,00 mais caro.

Que a qualidade dos produtos da AGV são impressionantes, isso não resta dúvida. Mas uma crítica deve ser feita: eles poderiam insistir menos em lançamentos tão calcados em Valentino Rossi e com apelo de pista e pensar nos motociclistas de outras classes. O pessoal que usa no dia a dia, a galera das customs que curte pegar estradas, o pessoal que se aventura pelos off roads e etc. Todos merecem ter acesso a segurança dos produtos tops de linha.

Quem sabe um dia?

Até a próxima.

Kawasaki prepara uma naked esportiva baseada na “Ninjinha”

terça-feira, janeiro 29th, 2013

29-01-2013-1

Correm boatos de que a Kawasaki está prestes a anunciar um modelo naked baseado na Ninja 300 cc. Segundo um respeitado blog da Indonésia (onde a Kawasaki produz a “Ninjinha”), uma bela naked será revelada ainda em fevereiro.

A naked pequena seria de 250 cc (lembrando que na Indonésia, a Ninjinha mantém essa motorização). Um dado que dá força ao boato é o aparecimento do registro de uma motocicleta ER 250 no banco de dados de marcas de veículos do Ministério da Indústria da Indonésia. A Kawasaki usa a denominação ER para suas nakeds, como a antiga ER5 e a atual ER6.

Não seria sonho se o Brasil também recebesse essa versão naked montada via CKD na fábrica da Kawasaki em Manaus, equipada com o propulsor de 300cc da nossa Ninjinha. O sudeste asiático já fabrica muitas motos vendidas por aqui (como a Honda CB 250R).

Seria uma concorrente de peso para a Yamaha e a Honda no segmento de nakeds pequenas de rua. Pela foto (ainda sem confirmação), o design é de primeira. Vamos aguardar novidades e torcer um pouco, claro.

Até a próxima.

Viajando com sua moto – Caminho Velho da Estrada Real (MG)

segunda-feira, janeiro 28th, 2013

28-01-2013-1

Estavam com saudades de roteiros de viagens? Eu também. E para voltar em grande estilo, um roteiro clássico que diz muito a respeito do Brasil Imperial. Essa viagem pela Estrada Real é destino de inúmeros aventureiros, estudantes, acadêmicos, família e, claro, motociclistas.

Antes, um pouquinho da história do local. A Estrada Real começou a ser construída no século XVII com único propósito de escoar o ouro de Vila Rica (hoje Ouro Preto – mudança demonstrada no espetacular poema “Vila Rica”, de Olavo Bilac ) para Paraty. Alguns anos depois, com a descoberta de diamantes na região do Serro, surgiu uma vertente da estrada de Diamantina até o Rio de Janeiro.

O roteiro proposto vai de Cruzeiro a Tiradentes. É uma viagem curta, apenas 250 km pelo Caminho Velho (a parte da estrada que chegava a Paraty). Mas é uma viagem para fazer sem pressa alguma. Neste caso, o trajeto é muito mais importante que o destino.

A Estrada Real em si abriga Museus, Centro Histórico, Centro de Artesanato, Trem Real e infinitas possibilidades de roteiros para serem feitos a pé, todos com possibilidade de guia. Vamos nos concentrar na viagem de moto, dessa vez, ok?

O ponto de partida é o quilômetro 213 da Dutra, na entrada para Cruzeiro. Siga pela SP-052 até Passa Quatro, a primeira cidade mineira do trajeto, encravada na Serra da Mantiqueira. Após passar por Itanhandu, a estrada torna-se sinuosa, tome muito cuidado. Uma estrada de quatro séculos pode ter caminhos estranhos.

Após isso, você deve pegar a BR-354 a caminho de Caxambu. Chegando lá, vale uma parada. Caxambu abriga o maior complexo hidromineral do mundo, com 12 fontes de água mineral com propriedades diferentes. Seis quilômetros à frente está a pequenina e charmosa Baependi, cidade com belas cachoeiras, de acesso razoavelmente difícil. Se você tiver um espírito aventureiro, vale a pena visitar, mas ali será difícil encontrar pousadas para passar a noite.

Seguir viagem. Você deverá pegar a rodovia BR-383 à esquerda em direção a Cruzília e Minduri. Em Minduri, você tem duas escolhas: pegar à esquerda no percurso de terra (em bom estado) para Carrancas, onde encontrará as mais belas cachoeiras da região; ou seguir em frente para São Vicente de Minas, onde o caminho é asfaltado. Mais uma vez, depende do tempo que você reservou para a viagem e do seu espírito aventureiro. Também depende da moto que você está pilotando. De qualquer forma, por aqui é fácil encontrar pousadas muito aconchegantes para passar uma noite (vale a pena).

De uma forma ou de outra, o caminho escolhido te levará à história São João Del Rei na BR-265. Pare aqui, obrigatoriamente. Dê um passeio pelo centro histórico, principalmente na belíssima Igreja de São Francisco. A cidade tem cachoeiras lindas e fica a apenas 15 km do destino final, Tiradentes. Depende de como for sua programação, vale a pena ficar alguns dias por São João del Rei. Mais informações aqui.

Seguindo a viagem para o destino final, em Tiradentes não deixe de visitar a rica Igreja Matriz de Santo Antônio. Além do mais, a história cidade da Inconfidência (por isso recebeu esse nome) esconde os melhores restaurantes de Minas Gerais (segundo moradores, claro) e boa parte das melhores cachaças do mundo (“bebedores” garantem que RJ e BA não devem em nada para MG no quesito cachaça, mas tradição é tradição, né?). Encontrar hotéis e pousadas em Tiradentes é muito fácil.

Infelizmente o site oficial da cidade estava fora do ar quando terminei de escrever esse roteiro, então ficaram faltando mais detalhes e links para sua consulta (como hotéis, restaurantes, ecoturismo e programação de eventos).

O site da Estrada Real é muito organizado com belas fotos que te deixarão louco para pegar esse caminho e pensar em inúmeras possibilidades de viagem por lá, confira: http://site.er.org.br//index.php/home/index.

E aí? Curtiu? Tem mais dicas? Espero ter ajudado.

Boa(s) viagem(ns) e até a próxima.

Igreja Matriz de Santo Antônio

Igreja Matriz de Santo Antônio

28-01-2013-3

Ainda sob os ecos de 2012, janeiro começa com baixas vendas de motos; indústria afirma que números apontam estabilidade

sexta-feira, janeiro 25th, 2013

25-01-2013-1

A primeira quinzena do mês fechou com mais quedas no setor das duas rodas. No entanto, os fabricantes consideram essa baixa uma “estabilidade” nos negócios.

A média diária de emplacamentos é 5% menor que o mesmo período de 2012 e 10,5% menor em relação a dezembro passado. O desempenho é pior também que o mesmo período de janeiro de 2011, conforme números divulgados pela Abraciclo (Associação dos Fabricantes de Veículos de Duas Rodas).

Mas isso não assusta a indústria.

Segundo os fabricantes e a própria Abraciclo, os resultados iniciais confirmam as projeções para 2013, quando pretendem produzir 1,7 milhão de motos e vender 1,6 milhão no mercado interno.

O consumidor está “perdendo o medo” das seminovas. Ainda que forçadamente, pois os preços altos do veículo 0 km e a dificuldade de crédito da política dos bancos em 2012 fizeram o consumidor procurar alternativas às motos novas. O quadro em 2013 não deve se alterar quanto a isso.

Rio de Janeiro recebe o Salão Bike Show

quinta-feira, janeiro 24th, 2013

30-01-2013-1

Quem estiver pelo Rio de Janeiro nesse fim de semana não pode deixar de curtir o Salão Bike Show. A capital carioca recebe pelo terceiro ano consecutivo o evento que reúne amantes das duas rodas (nós) e grandes fabricantes.

Aberto dia 24 de janeiro e aberto apenas até o dia 27 de janeiro (domingo), o salão não é uma feira de lançamentos e novidades (apesar delas estarem presentes), mas sim uma exposição para fãs de motos mesmo. Lá os visitantes poderão ver exposições de modelos clássicos e modernos.

Também vai rolar pelo evento shows de rock e apresentações de manobras radicais com uma equipe da Yamaha comandada pelo piloto Jorge Negretti. Além do mais, marcas icônicas como Harley-Davidson, BMW, Suzuki e Kawasaki, entre outras, já confirmaram presença.

Portanto os amigos cariocas não podem deixar de comparecer. O Salão Bike Show foi montado no Riocentro das 14h às 22h e no domingo das 12h às 20h. O Riocentro fica na Av. Salvador Allende, nº 6555-portão H, na Barra da Tijuca e os ingressos custam a partir de R$30 (crianças de até cinco anos não pagam)

Para nais informações, clique aqui!

Não percam. Até a próxima.

Moto Guzzi lança o maior V2 da Europa

quarta-feira, janeiro 23rd, 2013

23-01-2013-1

Quem acompanha o blog sabe: sou fã da Moto Guzzi. A tradicional empresa italiana, fundada em 1921, apresentou outra pérola para sua colação de 2013. Em duas versões, a M-G California 1400 chega trazendo o maior motor V2 da Europa.

Disponível na versão Custom e Touring, elas tem um motor de (obviamente) 1400 cc em V de 90° e na posição tradicional da montadora: longitudinal. Dotado de quatro válvulas por cilindro, o motor entrega 96 cv de potência e o robusto torque de 12,3 mkgf, maior que o de qualquer carro nacional 1.0.

Além dessa imponente potência, o visual da moto é irretocável (meu gosto pessoal aponta a Custom como minha favorita). Ainda trazem freios ABS, câmbio de seis marchas e transmissão secundária feita por eixo cardã e rodas de alumínio.

Alguma empresa parceira, milionário excêntrico, quadro do programa do Luciano Huck, montadora nacional ou o que seja não estaria disposto a trazer a Moto Guzzi pro Brasil? Estamos torcendo! Confira o site oficial dos caras: http://www.motoguzzi.it/

Até a próxima.

São Paulo recebe mostra do maior designer automotivo do século e revela sua paixão: motos

terça-feira, janeiro 22nd, 2013

22-01-2013-1

Não existem dúvidas que a Itália é referencia quando o assunto é design automotivo. Muito se deve a Giorgetto Giugiaro. Na década de 60, Giugiaro fundou a Italdesign Giugiaro e passou a prestar serviços para diversas montadoras.

Sediada em Turim, a empresa prestou serviços a projetos da Fiat, Volkswagen, Ford, Toyota, Subaru, Alfa Romeu entre tantas outras marcas. Suas linhas ficaram famosas no mundo automotivo com o VW Passat, VW Golf, Audi 80, Seat Ibiza, Lamborghini Gallardo, Maseratti Spyder 4200.

Sua fama ganhou proporções ainda maiores quando outro design seu chegou a Hollywood. O Lotus Esprit de “007 – O Espião que me amava” e o DeLorean presente nos filmes “De Volta para o Futuro” recebem a assinatura do mestre.

Mas o que pouca gente sabe é que Giorgetto ama motos. Inclusive prestou serviços para a indústria das duas rodas. Sendo a Itália referência no design de motos, não é de se assustar com essa informação.

A Ducati 860 GT (1975) foi desenhada pelo mestre, que também desenvolveu soluções para a Piaggio. A clássica e icônica montadora italiana tem a mão de Giorgetto em alguns projetos. O projeto mais recente é a scooter Derbi Predator 500 cc (1998).

A Italdesign Giogiaro também desenhou dois capacetes para a japonesa Shoei. O Z-100 e o maravilhoso Elmo Stelvio (que recebeu prêmio no Good Design Award 2010).

Agora uma mostra chega a São Paulo e cobre boa parte da carreira desse mestre do design automotivo. A mostra tem bons destaques para as motocicletas e estará montada a partir de sete de fevereiro de 2013, o Museu da Casa Brasileira, em parceria com a Star Edições Cinematográficas, realiza a exposição “Giugiaro: 45 anos de design italiano”.

Quem for lá ainda confere projetos obscuros da carreira de Giorgetto, como máquina de café, bola de basquete, máquina de costura, garrafa de água e lavadora, entre outras.

Oportunidade e tanto. O Museu da Casa Brasileira fica na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2.705, em São Paulo (SP). Funciona de terça a domingo, das 10h às 18h. Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia-entrada). A entrada é franca aos domingos e feriados.

Nos vemos lá.

Caminho inverso: o sucesso das miniesportivas chega às pistas

segunda-feira, janeiro 21st, 2013

21-01-2013-1

No mundo dos veículos motorizados, o caminho normal de uma grande novidade é começar nas pistas e só depois chegar às ruas. Foi assim com o sinto de segurança, o freio ABS, a tração integral, o uso do capacete e outros incontáveis exemplos. Mas uma novidade foge do padrão: as miniesportivas de 250 cc.

Quando a Kawasaki lançou a “Ninjinha”, ninguém saberia que sucesso poderia se esperar dali. Eis que a moto vendeu como água no deserto e fez a cabeça dos aficionados por design esportivo, mas que usavam a moto no dia a dia de uma cidade.

Logo surgiram concorrentes, o mercado cresceu nesse segmento e tomou as ruas.

O fato chamou a atenção de uma empresa: a Dorna.

Nunca ouviu falar? A Dorna é a organizadora do MotoGP e do Mundial de Superbike. Explicando. No MotoGP competem motos protótipos e na Superbike competem motos de linha modificadas para a pista.

Viu o quadro que se desenhou?

A Dorna já prometeu que uma nova categoria figurará na Superbike: 250 cc, com as miniesportivas de rua. A Honda, Kawasaki e a Duke já mostraram interesse na competição que só irá para as pistas em 2014. A Yamaha ainda não se manifestou, mas como a R1 é uma das maiores estrelas da Superbike, é provável que a marca dos diapasões entre nessa categoria das “esportivinhas” também.

Agora é esperar pra ver, mas não deixa de ser curioso o caminho dessa categoria: sair das ruas e chegar às pistas. Isso será ótimo para o segmento, pois motivará avanços tecnológicos e de segurança para esse tipo de moto.

Fique de olho. Até a próxima.

Motociclistas fazem manifestação pela “Paz no Trânsito” em São Paulo

sexta-feira, janeiro 18th, 2013

18-01-2013-1

A manifestação ocorrida na Avenida Paulista no domingo (dia 13) ficou conhecida como “Buzinaço da Paz” e contou com cerca de 350 motociclistas.  O pedido é algo que todos querem: paz no trânsito. Mas dessa vez a motivação não foi o número alarmante de acidentes envolvendo motos, foi o assassinato de um casal em novembro de 2012 durante uma tentativa de roubo.

Para quem não se lembra da história, noticiada em vários meios, o casal Sibele Pedroso e Rafael Fulaz foram mortos a tiros na Avenida dos Bandeirantes (capital paulista) no dia 29 de novembro de 2012. O casal viajava numa moto de luxo esportiva.

Segundo o boletim de ocorrência, eles aceleraram a moto depois do assalto anunciado e os criminosos atiraram. Com isso, Rafael (que pilotava) perdeu o controle da motocicleta e atingiu um veículo.

Sibele e Rafael caíram da moto. Um assaltante aproximou-se e atirou em ambos para matar. O crime chocou ainda mais a população porque as filhas de Sibele estavam no carro de trás e presenciaram a cena.

Motivados por esse absurdo, motoqueiros reuniram-se na Av. Paulista e buzinaram em frente a Assembleia Legislativa do Estado, como forma de protesto e exigir mais segurança no trânsito.

As autoridades lançaram uma nota dizendo que a Avenida dos Bandeirantes é a via mais perigosa da cidade quando se trata de assaltos.

Não é isso que queremos. Não queremos a lista das piores vias para poder evitá-las. Queremos, como motociclistas e, principalmente, como cidadãos, atitudes sérias de nossos governantes.

Segurança para trafegar por onde for. Mudanças sérias e severas. E não estamos falando apenas de policiamento (praticamente inexistente ao longo da Av. dos Bandeirantes), mas investimento sério em todos os setores sociais.

Sabemos que essa violência é fruto de uma desigualdade abissal existente em SP. Será que teremos que esperar mais mortes aparecerem na mídia para alguém mover um dedo? Ou poderemos ter alguma esperança de melhora a curto e longo prazo com políticas públicas interessadas nos setores fundamentais para o desenvolvimento social, como educação e segurança?

Não estamos exigindo nada de mais com o “buzinaço”, apenas, como cidadão, queremos o direito de ter nossa cidadania garantida.