Freio a tambor ou a disco

Freio a disco

O sistema de freio, assim como o motor é um componente totalmente essencial, além de possuir duas rodas a menos que os carros, as motocicletas têm pouca área de atrito entre os pneus e o chão, tornando assim a frenagem mais complexa, pois o que faz a motocicleta parar é a superfície em que o pneu está em contato.

Podemos citar dois tipos de freios como, por exemplo, em motos antigas ou de baixa cilindrada o sistema de freio é a tambor, onde sua manutenção é mais barata, entretanto sofrem muito mais em condições adversas como chuva e freios mal regulados. Existe o mito de que os freios a tambor são ineficazes, mas quando bem regulados funcionam tão bem quanto o sistema a disco.

Se entrar água dentro do tambor as lonas acumulam sujeira, causando ruídos durante a frenagem, além do risco de vitrificação da lona, que é quando a lona perde a aspereza necessária para entrar em atrito com o cubo da roda, diminuindo assim o poder de frenagem. Se isto acontecer, devem-se lixar as lonas com uma lixa de ferro para que voltem a ficar ásperas novamente.

O outro tipo de freio é o a disco, utilizado em motos mais potentes, são compostos basicamente por pastilhas, pistão, fluido de freio e disco. Com seu funcionamento hidráulico, ou seja, ao acionar o manete ou o pedal, o fluido de freio se move em direção a pastilha “empurrando” o pistão, que por sua vez move a pastilha para entrar em contato com o disco.

Motos com freio a disco possuem uma resposta mais rápida que motos com freios a tambor, entretanto se gasta mais na manutenção já que ficam expostos, os discos estão sujeitos a avarias sem contar que em uma descida muito longa de serra, por exemplo, os freios apresentam o tradicional “fading” ou fadiga, suas respostas demoram mais em função a alta temperatura alcançada pelo fluido de freios, que podem evaporar e retardar o tempo de resposta do freio.

Fonte:Moto

Tags: , , , , , , , , ,

5 Responses to “Freio a tambor ou a disco”

  1. Thiago disse:

    Gostaria de adicionar um comentário sobre os freios a disco. Hoje os principais problemas que enfrentamos nesse sistema de freios são :

    - Fluido de freio evaporando em temperaturas altas;
    - Dilatação da mangueira (flexível) causando o efeito freio borrachudo;
    - Ineficiência de pastilhas orgânicas, ou não-metálicas;

    Portanto algumas soluções interessantes pra quem quer dar um UP no conjunto de freio à disco seriam :

    - Substituir o fluído por um com ponto de ebulição mais alto como o DOT5 (mais utilizado em competição) este começa a evaporar em temperaturas superiores a 280ºC se não me engano;
    - Substituir o flexível de borracha por um de malha de aço, que não tem dilatação (ver AEROQUIP);
    - Trocar pastilhas pelas Metálicas ou Semi-Metálicas, que por sua vez tem respostas mais precisas nas frenagens;

    Bom acho que é isso, espero ter ajudado um pouco, fiz isso na minha motard e recomendo fortemente.

    Abraços

  2. cezar disse:

    Comentário do editor:

    Thiago,
    Obrigado por adicionar informações e pelo comentário!

    Cézar.

  3. Jose Manoel de Brito disse:

    Gostaria de saber se o tambor de freio da roda trazeira de moto é substituivel ou e permanente? paresse que não se desmonta!
    Grato
    Brito

  4. Eduardo disse:

    Para saber quias são os riscos que o ferio a disco tem de travar o pneu da moto automaticamente?

  5. Everson disse:

    na minha preferencia freio a tambor na roda dianteira da moto seria bem mais seguro que o freio a disco sem ABS. freio a disco puxo o manete dependendo do terreno já leva um tombo a Tambor não não.
    na minha opinião freio adisco somente na Traseira.

Leave a Reply