Viajando com sua moto – Caminho Velho da Estrada Real (MG)

28-01-2013-1

Estavam com saudades de roteiros de viagens? Eu também. E para voltar em grande estilo, um roteiro clássico que diz muito a respeito do Brasil Imperial. Essa viagem pela Estrada Real é destino de inúmeros aventureiros, estudantes, acadêmicos, família e, claro, motociclistas.

Antes, um pouquinho da história do local. A Estrada Real começou a ser construída no século XVII com único propósito de escoar o ouro de Vila Rica (hoje Ouro Preto – mudança demonstrada no espetacular poema “Vila Rica”, de Olavo Bilac ) para Paraty. Alguns anos depois, com a descoberta de diamantes na região do Serro, surgiu uma vertente da estrada de Diamantina até o Rio de Janeiro.

O roteiro proposto vai de Cruzeiro a Tiradentes. É uma viagem curta, apenas 250 km pelo Caminho Velho (a parte da estrada que chegava a Paraty). Mas é uma viagem para fazer sem pressa alguma. Neste caso, o trajeto é muito mais importante que o destino.

A Estrada Real em si abriga Museus, Centro Histórico, Centro de Artesanato, Trem Real e infinitas possibilidades de roteiros para serem feitos a pé, todos com possibilidade de guia. Vamos nos concentrar na viagem de moto, dessa vez, ok?

O ponto de partida é o quilômetro 213 da Dutra, na entrada para Cruzeiro. Siga pela SP-052 até Passa Quatro, a primeira cidade mineira do trajeto, encravada na Serra da Mantiqueira. Após passar por Itanhandu, a estrada torna-se sinuosa, tome muito cuidado. Uma estrada de quatro séculos pode ter caminhos estranhos.

Após isso, você deve pegar a BR-354 a caminho de Caxambu. Chegando lá, vale uma parada. Caxambu abriga o maior complexo hidromineral do mundo, com 12 fontes de água mineral com propriedades diferentes. Seis quilômetros à frente está a pequenina e charmosa Baependi, cidade com belas cachoeiras, de acesso razoavelmente difícil. Se você tiver um espírito aventureiro, vale a pena visitar, mas ali será difícil encontrar pousadas para passar a noite.

Seguir viagem. Você deverá pegar a rodovia BR-383 à esquerda em direção a Cruzília e Minduri. Em Minduri, você tem duas escolhas: pegar à esquerda no percurso de terra (em bom estado) para Carrancas, onde encontrará as mais belas cachoeiras da região; ou seguir em frente para São Vicente de Minas, onde o caminho é asfaltado. Mais uma vez, depende do tempo que você reservou para a viagem e do seu espírito aventureiro. Também depende da moto que você está pilotando. De qualquer forma, por aqui é fácil encontrar pousadas muito aconchegantes para passar uma noite (vale a pena).

De uma forma ou de outra, o caminho escolhido te levará à história São João Del Rei na BR-265. Pare aqui, obrigatoriamente. Dê um passeio pelo centro histórico, principalmente na belíssima Igreja de São Francisco. A cidade tem cachoeiras lindas e fica a apenas 15 km do destino final, Tiradentes. Depende de como for sua programação, vale a pena ficar alguns dias por São João del Rei. Mais informações aqui.

Seguindo a viagem para o destino final, em Tiradentes não deixe de visitar a rica Igreja Matriz de Santo Antônio. Além do mais, a história cidade da Inconfidência (por isso recebeu esse nome) esconde os melhores restaurantes de Minas Gerais (segundo moradores, claro) e boa parte das melhores cachaças do mundo (“bebedores” garantem que RJ e BA não devem em nada para MG no quesito cachaça, mas tradição é tradição, né?). Encontrar hotéis e pousadas em Tiradentes é muito fácil.

Infelizmente o site oficial da cidade estava fora do ar quando terminei de escrever esse roteiro, então ficaram faltando mais detalhes e links para sua consulta (como hotéis, restaurantes, ecoturismo e programação de eventos).

O site da Estrada Real é muito organizado com belas fotos que te deixarão louco para pegar esse caminho e pensar em inúmeras possibilidades de viagem por lá, confira: http://site.er.org.br//index.php/home/index.

E aí? Curtiu? Tem mais dicas? Espero ter ajudado.

Boa(s) viagem(ns) e até a próxima.

Igreja Matriz de Santo Antônio

Igreja Matriz de Santo Antônio

28-01-2013-3

Tags:

Leave a Reply