Posts Tagged ‘Manutenção’

Carburadores poderão ser aposentados em 2016

quinta-feira, agosto 29th, 2013

motoqueiroshoje1

Dafra Riva 150 é uma moto que ainda conta com carburador

Colegas motoqueiros, vamos aos fatos: praticamente tudo que existe de tecnologia para carros, também existe para motos. Porém, nos carros, a tecnologia parece estar muito mais avançada. O motivo é a aplicação e o custo e não a inexistência. E também as leis de fabricação dos veículos.

Um exemplo disso é a presença de ABS, obrigatório em todos os carros a partir de 2014 e presente só em algumas motos e de média ou alta cilindrada. Outro exemplo é o carburador, aposentado dos carros há mais de dez anos e presente em quase todas as motos com cilindradas baixas.

Este, ao menos, vai mudar. Por força de lei, mas vai.

Não haverá nenhuma lei que obrigue as motos a aposentar o carburador literalmente, mas a tolerância para os níveis de poluentes vai diminuir. E carburador polui bem mais que injeção eletrônica.

Largamente presente em motos de até 150cc, a mudança para a injeção eletrônica será um caminho quase automático. Manter o carburador e instalar um catalisador potente resolveria o problema, mas seria um sistema bem mais caro e uma peça a mais traria mais manutenção.

Se pensarmos que as motos pequenas são para uso cotidiano e o baixo preço é um dos principais atrativos da categoria, aumentar o valor e a manutenção seria um verdadeiro tiro no pé que a indústria daria. Seria uma manobra burra que nenhuma montadora está disposta a fazer.

De toda forma, tanto a obrigatoriedade da tecnologia quanto os processos para homologação estão ajudando a colocar motos e carros em pé de igualdade. Isso é bom para todos os motoqueiros. Seria interessante que o trânsito também caminhasse para esse lado.

Até a próxima.

Pra que apertar a toa?

segunda-feira, agosto 26th, 2013

26-08-2013-1

Olá, colega motoqueiro. Hoje trataremos de um assunto pelo qual todos se interessam: manutenção e durabilidade da moto.

A questão é embreagem. Uma mania que quase todos temos assim que começamos a dar nossas primeiras voltas de moto, lutando ainda para não deixar a “menina” morrer, é manter a mão “sempre alerta” sobre a embreagem. Com o tempo, alguns não perdem essa mania.

Assim como acontece em automóveis quando os motoristas mantém o pé na embreagem “só encostado”, manter a mão lá faz uma pressão, ainda que leve, desnecessária e contínua. Isso diminui a vida útil do sistema.

Há ainda aqueles que mantêm a embreagem apertada em todo momento que está parado no farol ao invés de colocar a moto em ponto morto. Esse “truque” só vale a pena se você souber que o farol está realmente prestes a abrir.

Queimar a embreagem, só em momentos realmente necessário (subidas muito íngremes, por exemplo). Mesmo assim, é recomendado dosar bem a embreagem e pegar o ponto certo do acelerador.

Guarde um fato: a embreagem dura mais quanto menos for usada.

Até a próxima.

Amortecedor não é eterno

quinta-feira, agosto 22nd, 2013

22-08-2013-1

Colega motoqueiro, como tudo na nossa vida, os amortecedores de nossas motos não são eternos. Acontece que muitos simplesmente nem cogitam fazer manutenção e trocá-los.

Com o passar do tempo (e dos vários buracos), os amortecedores vão perdendo sua eficiência. Como isso é gradual, muitos simplesmente se acostumam com essa perda e esquecem-se de verificar essa peça fundamental para segurança e conforto do motoqueiro.

A verdade é que mesmo que você só circule por ruas muito bem pavimentadas (se sim, me conte onde) e em baixa velocidade, os amortecedores terão de ser trocados um dia. O que muda é a duração de sua vida útil.

Na verdade, um amortecedor já ineficaz não amortece mais impactos (óbvio) e pode causar, em casos extremos, rachaduras no chassi ou no quadro da motocicleta. E, acredite, você não quer isso.

Pelo mesmo motivo, na suspensão dianteira há necessidade de substituição do óleo e das molas internas. Quando não há par de amortecedor na moto, claro.

Fique esperto e não descuide da sua motoca.

Até a próxima.

Ninja 300 vai passar por recall

segunda-feira, julho 29th, 2013

29-07-2013-1

Olá, colegas motoqueiros. Sabemos que a Ninja 300, “ninjinha” para os íntimos, faz muito sucesso. Por isso, muitos de vocês talvez a tenham, então fiquem espertos nessa.

A Kawasaki anunciou que a sua miniesportiva passará por um recall no Brasil. A moto já sofreu o mesmo recall no EUA, para reparar um possível defeito no sistema de ABS. Segundo a montadora, o problema deixaria o sistema ineficiente. E estamos falando de segurança aqui, de frenagem.

O recall não tinha sido confirmado para as unidades brasileiras porque ainda estavam analisando se as peças que compõe o sistema da ninjinha nacional eram do mesmo lote das ninjinhas estadunidense. Conclusão: são.

Portanto, a Kawasaki vai chamar algumas unidades brasileiras. Mas de acordo com a marca, ainda não se sabe quantas unidades serão convocadas. Também não se tem ainda data para início do recall.

Como todos sabem, mas nunca é demais lembrar, o recall deve ser agendado e não custa nada, nem que seja preciso trocar todo sistema de freios. Não deixe de fazer o reparo, é pra sua segurança e para o bom funcionamento da sua moto.

Fique ligado pra mais informações e avise seus amigos proprietários de ninjinhas.

Até a próxima.

Hora do freio: dê olho e ouvidos nele

terça-feira, junho 18th, 2013

18-06-2013-1

Colega Motoqueiro, sempre que possível trazemos alguns toques de manutenção e cuidados. Hoje falaremos algo fundamental: o freio.

Em termos de manutenção, o sistema de frenagem é bem delicado, pois é uma parte da moto que NÃO PODE falhar, ou seja, é fundamental que seus cuidados sejam sempre preventivos.

Quase todos os modelos de moto hoje são equipados com freio a disco ao menos na dianteira e, por conta da frenagem ser basicamente atrito, desgaste haverá não só nas pastilhas, mas também no disco. Isso é bom, na verdade, pois é fácil perceber um disco “gasto”, já que ele fica exposto (ao contrário das pastilhas). Riscos ou raias profundas são indicadores de vida útil terminal.

Quando o assunto é pastilha, a atenção deve vir do ouvido. Essas peças, quando desgastadas, apresentam um barulho diferente sempre que acionadas (aquele “apitinho” estranho). Soma-se a isso o curso da alavanca que passa a ser mais longo.

Porém tenha cuidado: quando a pastilha se desgasta por inteiro, o metal do disco encosta diretamente no metal da base da pastilha. Nesse caso, a coisa ta feia. E o barulho de metal com metal só não é pior que o estrago o bolso, pois tal contato vai danificar muito o próprio disco de freio que deverá ser trocado.

Já o sistema a tambor deve-se ouvir seus “ruídos” e manter a atenção no curso do pedal (ou manopla), assim como para a pastilha. Há também os pequenos indicadores de desgaste que, por meio de uma seta metálica que aponta para uma pequena escala, anunciam quanto de vida útil resta.

Para os dois casos, uma regra impera: metal com metal é prejuízo do grande. E ouvidos e olhos atentos.

Até a próxima.

Não vale a pena ligar a moto “no tranco”

terça-feira, maio 7th, 2013

07-05-2013-1

Motoqueiro e motoqueira, você com certeza já viu essa cena: a moto de alguém não liga e o piloto decide “dar um tranco” pra “acordar o motor”. Isso é prejudicial?

Simples: sim. Mas por que se faz isso? Normalmente, porque a bateria está fraca demais para conseguir dar a partida. Então, primeiramente, vamos pensar em como não descarregar a dita cuja.

O maior “crime” para a bateria é esquecer a chave no contato da moto na posição “on” quando chega em casa ou no trabalho. Abusar da buzina ou segurar por muito tempo o botão de partida.

Mas dada disso impediu da bateria arriar e você pretende dar um tranco mesmo assim. Primeiro saiba que se a bateria “morreu” mesmo, ou seja, se as luzes no painel nem ameaçam ascender com o girar da chave, não é o tranco que poderá ligar o motor. Nesse caso, só recarregando ou trocando de bateria.

Agora vamos aos maiores problemas dessa ação. Existe um risco de encharcar o catalisador de combustível ao ligar a moto dessa maneira. Se isso acontecer, a peça terá de ser trocada e não é nada barato.

Também existe a possibilidade (bem remota) de rolar um calço hidráulico. Em motores carburados, isso faz com que o combustível vaze para a câmara de combustão. Se isso acontecer, na hora do tranco a biela vai para o espaço. Sentiu a gravidade?

Então o melhor a se fazer é seguir aquele ditado da sua avó: “prevenir é melhor que remediar”. Fique de olho na bateria e na sua validade sempre.

Até a próxima.

“Minha moto está fazendo ruídos!”

sexta-feira, abril 26th, 2013

26-04-2013-1

Amigo motoqueiro, se não for o ruído normal do motor ou do escape, é um sinal. E não um bom sinal.

Qualquer veículo apresenta algo errado se tem perda de potência ou ruídos “estranhos”. Por que com a moto seria diferente?

É muito importante prestar atenção a barulhos que aumentam e variam. Acontece que muitos motoqueiros acham que apenas os ruídos contínuos são preocupantes, mas isso não é verdade. Aqueles ruídos estranhos que somem depois de uma certa rotação ou um certo tempo também não são normais.

Faça assim: desligue o motor e aguarde uns 15 minutos para ele esfriar. Depois religue e repare se o barulho continua lá ou sumiu.

O desaparecimento (ou diminuição) do ruído na sequência não é uma notícia boa, mas apenas que ele tem relação com a temperatura da moto.

Caso o barulho ainda continue igualzinho, pior ainda. Desligar o motor e levar a moto ao mecânico é a atitude correta.

Usei o exemplo do ruído no motor, mas essa atenção vale para qualquer comando, como  acelerador, embreagem e câmbio: endureceu, amoleceu, ficou diferente? Qualquer variação merece uma olhada especial. Pode ser só uma falta de lubrificação ou ajuste, mas também, na pior das hipóteses, pode ser um problema maior. Melhor prevenir que remediar.

Vai arriscar? Melhor não.

Até a próxima.

13ª Edição MotoCheck-Up

segunda-feira, setembro 6th, 2010

motocheckEm comemoração à Semana Nacional de Trânsito, a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares) promove a 13ª edição da MotoCheck-Up, entre os dias 20 e 24 de setembro, no bolsão do estacionamento ao lado da Assembléia Legislativa.

O evento tem o objetivo de orientar os condutores sobre melhores condições de segurança e educação no trânsito e preocupação com o meio ambiente, oferecendo as proprietários de moto que passarem no local, avaliação das condições mecânicas de 13 itens das suas motocicletas.

Os realizadores do MotoCheck-Up, que esperam atender mais de 3.000 motociclistas nesta edição, lembram que a ação não tem efeito fiscalizador e serve unicamente para orientar e instruir.

Serviço

Data: 20 a 24 de setembro
Horário: das 8h30 às 16h30
Onde: Bolsão do estacionamento ao lado da Assembléia Legislativa, situado à Rua Manoel das Nóbrega s/nº, confrontando com a Praça Armando Salles de Oliveira no Ibirapuera, em São Paulo.

BMW convoca recall mundial de 122 mil unidades

sexta-feira, maio 21st, 2010

bmwcall

A BMW convoca seu segundo recall de 2010. As motos envolvidas são dos modelos R 1200 GS, R 1200 GS Adventure, R 1200 RT e K 1200 GT, fabricados entre agosto de 2006 e março de 2008.

Segundo a empresa cerca de 122 mil unidades no mundo todo devem ser verificadas devido ao risco de vazamento lento e gradativo de fluído dos dutos.

Se a máquina estiver com este problema corre-se o risco de sofrer perda de pressão e, eventualmente, falha do freio dianteiro.

Os chassis envolvidos são:

ZU-06-313 a ZU-98-580, ZU-48-779 a Zu-99-376, ZR-57-884 a ZW-94-790, ZN-71-658 a ZU-97-506.

Para mais informações ligue para 0800-707-3578 ou acesse www.bmw-motorrad.com.br.

Fonte: Terra

A hora de trocar os pneus

sexta-feira, abril 30th, 2010

Trocar os pneus é aparentemente uma tarefa fácil mas é necessário ficar atento a alguns cuidados básicos para aumentar a durabilidade e manter seu pneu em ordem para não correr risco de acidentes.

pneumotoPrimeiro é importante ficar atento as especificações da fabricante para trocar os pneus, mas normalmente eles seguem a seguinte orientação - desde que sejam originais de fábrica:

1-) Motos esportivas: 10.000 km
2-) Motos Custons: 12.000 km

Vale lembrar que isto é uma orientação, se os pneus já estiverem praticamente sem frisos na faixa central ou que a moto está instável (mesmo estando calibrado) significa que é hora de trocar

Chegado o momento da troca, de preferência a fazê-lo em uma máquina de montagem, esta regra acentua-se ainda mais se as rodas forem raiadas. De preferência utilize o mesmo modelo de pneu que veio da fábrica.

E atenção, se o pneu for novo é sempre importante dar uma “lixada” nele antes de utilizar para retirar a camada de cera. Para fazer isto é simples:

1-) Dianteiro: Use uma lixa grossa de qualquer tipo e passe em toda banda de rodagem
2-) Traseiro: Em uma área de areia ou cascalho fino e dê uma patinada com no mínimo duas voltas no pneu.

Fonte: G1