Posts Tagged ‘off-road’

Hora de comer poeira

quarta-feira, setembro 25th, 2013

25-09-2013-1

Amigo das duas rodas, se você tem algum espírito aventureiro, já deve ter pensando em tirar a moto do asfalto e por na terra. Primeiramente devemos saber que existem duas situações de andar na terra: um trecho de alguma estrada ou caminho ou para a prática de esporte, seja por lazer, seja profissionalmente. Se o seu caso for o último, nós que precisamos de dicas. Mas se, assim como eu, você só pensa em curtir, então vamos compartilhar algumas informações.

Vamos ao ponto: motos pra terra são preparadas pra isso. Nem pense em colocar sua naked urbana ou sua estradeira cheia de cromados numa pista barrenta. Caso encontre trechos não asfatados pelo caminho, reduza (bem) a velocidade.

Lembre-se que esses trechos são mais irregulares que o asfalto, a aderencia é menor (ainda mais quando não estamos com os pneus próprios para esse uso) e não há sinalização. A saída é trafegar realmente devagar e seguro.

Mas se você foi mesmo curtir um terrão e está iniciando nessa aventura, já deve ter separado uma moto para a ocasião. Porém é necessário alguns equipamentos diferentes também.

É fundamental estar acompanhado para evitar qualquer imprevisto. A terra obriga você a usar mais o frei dianteiro que o asfalto, por isso fique bem atento. Outra coisa comum é ver gente pilotar em pé na terra. Isso porque com o numero de buracos e solavancos castigam as costas do piloto.

Lembre-se que você precisa de alguns equipamentos específicos. Procure lojas especializadas que possam te ajudar. Mas capacete é sempre obrigatório.

No mais, boas aventuras.

Até a próxima.

Oficina nos EUA transforma Harley-Davidson em uma off-road

segunda-feira, agosto 12th, 2013

12-08-2013-1

Colega motoqueiro, uma oficina de customização fez um trabalho inusitado lá pelas terras do Tio Sam. Eles fabricaram a SC3 Adventure, uma motoca off-road com carona de vintage. O impressionante é que ela usa a base de uma H-D 883 Sportster.

As H-Ds são conhecidas por rodarem perfeitamente no asfalto e tem nas estradas seu habitat natural. Pois bem, a Carducci Dual Sport utilizou de sua base para mudar completamente o conceito. Ok, sendo sincero, apenas motor e painel foram mantidos. O chassi sofreu algumas alterações.

Já escapes, pneus e rodas, suspensão, farol, bengala, assento, carenagem, tanque de combustível, balança e para-lamas são trocados (não modificados, mas trocados mesmo). Portanto, quase anda se vê da 883 original.

Os malucos ainda pretender comercializar a SC3 em breve, mas sem data definida ainda.

E aí, achou uma heresia ou uma alteração legal?

Até a próxima.

12-08-2013-2

A 883 original que serve de base para a SC3. Vê alguma semelhança?

Mormaii apresenta nova opção para off-road montada no Brasil

terça-feira, maio 21st, 2013

21-05-2013-1

Motoqueiro amigo, só não curte fazer uma trilha quem não fez ainda, certo? Então devemos ficar felizes com a nova opção para trilhas da Mormaii. Se você está reconhecendo esse nome, mas não sabe de onde, te explicamos.

A Mormaii é uma empresa brasileira especializada em surf, desde pranchas à surfwear, que está se entrando no mundo das motocicletas. E já começa lançando uma boa opção de off-raod (ao que parece, a empresa vai focar apenas nesse estilo).

A Enduro VT 250 contém componentes italianos, japoneses e chineses. O motor é da chinesa Zongshen, parceira da Kasinski no Brasil. Diferentemente da maioria de motos para uso exclusivamente na terra, a VT possui farol dianteiro e pode ser emplacada e, como uma boa off-road, a suspensão é invertida.

Seu preço é de R$17.850 e se for comprada à vista, cai para R$16.495, segundo a marca.

Além da moto, a Mormaii está lançando um reboque para ser acoplado no carro e transportar motos. Seu preço é R$4 mil.

Curtiu a novidade? Gosta de trilhas? Quais melhores lugares pra curtir um off-road?

Manda pra gente sua opinião.

Até a próxima.

Chega a nova XTZ 250 Ténéré 2011

quarta-feira, novembro 3rd, 2010

A Yamanha terá em suas concessionárias já em Novembro a versão 250 de sua famosa linha Ténéré. Essa, totalmente voltada para o público brasileiro, que teve grande impacto em seu desenvolvimento.

Além das pesquisas com os proprietários, a internet foi uma importante ferramenta para a montadora, já que por meio destas foram analisados fóruns e discussões sobre o produto. Ali além de informações, foram encontradas imagens das mudanças desejadas pelos consumidores.

Pesquisas também apontaram que o consumidor dessa categoria, além de usar a moto no dia a dia, costuma usá-la também para fazer viagens. Pensando em melhor atender esse público que usa a moto na estrada nos finais de semana, a Yamaha lançou a XTZ 250 Ténéré, já em seu modelo 2011. A moto chega ao mercado para dividir espaço com a “irmã” Lander 250, que não sairá de linha.

O preço da moto deve ficar em torno dos 13 mil reais.

No Brasil, as motos Ténéré ficaram conhecidas graças às saudosas Ténéré 600 e a Super Ténéré 750, que até hoje são sinônimo de aventura. O novo modelo vem resgatar o prestígio da linha e também animar ainda mais os fãs da XT660Z Ténéré e XT1200Z Ténéré, que podem chegar em breve ao Brasil.

Algumas informações técnicas do modelo 250:

Motor: SOHC, 249 cm³, quatro cilindros em linha, refrigerado a ar com radiador de óleo.

Potência máxima: 21 cv a 8.000 rpm.

Torque máximo: 2,10 kgfm a 6.500 rpm

Transmissão: Câmbio de cinco velocidades, com transmissão final por corrente.

Suspensão: Garfo Telescópico com 220 mm de curso na dianteira; monoamortecida com link e 240 mm de curso na traseira

Freios: Disco de 245 mm de diâmetro (dianteiro); disco de 203 mm de diâmetro (traseiro).

Dimensões: 2.120 mm de comprimento, 830 mm de largura e 1.370 mm de altura. Entre-eixos 1.385 mm, altura do assento de 865 mm e 270 mm de altura mínima para o solo.

Peso: 137 kg

Divulgada a imagem do modelo da nova Triumph Tiger 800XC

quarta-feira, outubro 20th, 2010

Na primeira imagem divulgada pela Triumph Tiger 800 XC, o que mais chamou a atenção foi a nova “roupagem” voltada para o off-road, que é o que significa a versão XC.

A apresentação oficial do modelo deve ocorrer no Salão de Milão, e assim teremos maiores informações sobre a mesma. Certo é que a versão mais básica será equipada com pneus de 19″, enquanto a mais completa será equipada com pneus de 21’’.

Até onde se sabe o motor será derivado da desportiva Daytona 675 que passará a apresentar uma cubicagem de 800 cc, disponibilizando menos potência máxima mas um maior binário para enfrentar os obstáculos que os motociclistas poderão encontrar nas suas experiências off-road.

Outras informações são de que, é esperada uma potência de 10 a 15 cv, além do peso que será por volta dos 200 kg.

A imagem mostra alguns acessórios que a marca terá no novo modelo: são essas uma proteção de plástico para o guarda-lamas superior, um escape Arrow, e uma proteção de maiores dimensões para o motor.

Fontes: Motociclismo e Best Cars

BMW Rider Training – curso para motociclistas

sexta-feira, dezembro 11th, 2009

bmwtraining

A BMW realizará no Brasil o BMW Rider Training off-road, curso já muito conhecido na Alemanha. A montadora utilizará no país as mesmas técnicas ministradas no curso do país bávaro.

Este treinamento, destinado a todos os motociclistas com habilitação e proporciona lições indispensáveis para qualquer aventureiro que queira enfrentar deslocamentos na terra. O curso passa instruções pontuais que, colocadas em prática, tornam o motociclista apto a superar situações adversas.

E o melhor é que não é necessário ser cliente da marca e muito menos proprietário de uma maxitrail, qualquer pessoa habilitada pode se inscrever. Além do curso off-road, a marca alemã também realiza um on-road, realizado na pista de testes da Pirelli, em Sumaré, SP.

No treinamento o piloto enfrenta exercícios de frenagem, slalon, valetas e riachos. E você sabe como enfrentar a areia e a brita? O curso ensina as táticas para estas ocasiões também. O preço é de aproximadamente R$ 1.000.

BMW Rider Training: Tel.: 11 3055-1394

Fonte: Terra

Honda XRE 300

quarta-feira, outubro 7th, 2009

A Honda apresenta a moto que veio para substituir as famosas XR 250 Tornado e a NX4 Falcon. E, aparentemente, parece ter sido bem sucedida.

A moto apresenta novidades tanto no design, como um belo conjunto de paralamas, como na segurança, com a introdução do ABS, conhecido também como Combined ABS nas motos Honda. A versão equipada com o novo sistema tem preço sugerido de R$ 15.390, cerca de 20% a mais que a versão Standard cotada a R$ 12.890.

Ficha Técnica: Honda XRE 300 Standard/C-ABShonda

Motor: 291,6 cm³, monocilíndrico, quatro tempos, quatro válvulas, duplo comando no cabeçote (DOHC) e arrefecido a ar.
Potência: 26,1 cv a 7.500 rpm.
Torque: 2,81 kgfm a 6.000 rpm.
Diâmetro e curso: 79,0 mm x 59,5 mm.
Taxa de compressão: 9,0:1.
Alimentação: Injeção eletrônica de combustível PGM-FI.
Partida: Elétrica com sistema de ignição eletrônica.
Câmbio: Cinco marchas com embreagem multidisco em banho de óleo.
Suspensão: Dianteira por garfo telescópico com 245 mm de curso; traseira monoamortecida com sistema Pro-Link com 225 mm de curso.
Freios: Dianteiro a disco simples de 256 mm de diâmetro e pinças de dois pistões/pinças de três pistões na C-ABS; traseiro a disco simples de 220 mm de diâmetro e pinças de pistão simples.
Pneus: Dianteiro 90/90-21M/C (54S); traseiro 120/80-18M/C (62S).
Chassi: Berço semiduplo com 2.171 mm de comprimento, 830 mm de largura, 1.181 mm de altura e 1.417 mm de entre-eixos; 860 mm de altura do assento, 259 mm de altura ao solo.
Tanque: 12,4 litros (2,3 litros de reserva).
Peso: 144,5 kg/151 kg (a seco).
Cores: Preta, vermelha e amarela metálica.
Preço: R$ 12.890 (Standard)/R$ 15.390 (C-ABS).

Fonte: UOL

Onde fazer trilhas de moto em São Paulo?

terça-feira, maio 12th, 2009

Quem mora em São Paulo enfrenta um pequeno “deslocamento” para chegar até as trilhas. No entanto, não é nada tão complicado assim, pois existem boas opções.

A primeira dica é fazer amizade com o pessoal da vizinha Mogi das Cruzes (SP). A região é repleta de trilhas, e o acesso por carro é rápido, pela Ayrton Senna.motocross

Outra cidade próxima com muitas trilhas é Guararema (SP). Para quem tem dificuldade para transportar a moto até lá, e inclusive deixá-la na cidade, para a prática do esporte, recomendamos fazer contato com o Alemão, pelo fone: (11) 4693.4538.

Em São Paulo, outra boa opção é entrar em contato com o Hugo, pelo e-mail: hugo@hcmproducts.com.br.

É um dos mais antigos praticantes do esporte, ainda na ativa, e tem muitos bons conselhos.

Fonte: Webventure

Pneu radial ou convencional

sexta-feira, novembro 7th, 2008

Existem dois tipos de pneus, o radial e o convencional que levam estes nomes devido à diferença na estrutura entre eles. Mas não significa que um seja melhor que o outro, simplesmente é utilizado de forma diferente.

Nos convencionais, o tecido junto com a carcaça, compõem a estrutura do pneu, formando ângulos com a linha central da banda de rodagem.
Nos radiais, além da estruturo têxtil, possuem uma cintura de aço paralela à linha central da banda de rodagem, onde os fios metálicos formam um ângulo de 0º com a linha central.

As diferenças estruturais determinam à utilização mais adequada de cada pneu. Já que os radiais são utilizados para motos maiores e com mais cilindradas, oferece mais resistência e desempenho para as altas velocidades e frenagens bruscas que em situações extremas o pneu convencional seria um risco, entretanto os convencionais possui uma variedade imensa, podendo ser utilizados em motos de baixa cilindrada, motocicletas, off-road ou até mesmo em motos big-trail.

Por exemplo, uma moto de 125cc não necessita de um pneu radial, pois além de não ultrapassar os 110 km/h seria um desperdício e incômodo, já que os pneus não trabalhariam com a suspensão desenvolvida para pneus convencionais, fora que o rendimento quilométrico é o importante para motociclistas deste perfil de moto.

Agora, uma moto superesportiva, como a Honda CBR 600RR, que atinge mais de 250 km/h, o radial é obrigatório, pois o pneu sofre muito esforço nas acelerações e frenagens devido à alta velocidade.

Para as motos off-road, o radial já não suportaria o grande esforço, pois os pneus são submetidos a impactos muito fortes, por isto dos convencionais, não podendo esquecer que o amortecimento e a adaptação para terrenos irregulares são fundamentas.

É muito simples diferencia-los afinal, os fabricantes usam códigos específicos e as medidas para cada pneu, por exemplo, um convencional da Honda CG 150, possui nas medidas 90/90 - 18.0, onde o “-” indica que se tratada de um pneu convencional.
Enquanto a superesportiva Yamaha YZF R1 possui as seguintes descrições 190/50 R 17, onde o “R” indica que é fabricação radial. Os números para ambos referem-se à largura (em milímetros), altura e o aro da roda.

Uma dica importantíssima, para não ter dor de cabeça, siga SEMPRE às instruções do fabricante discriminadas no manual do usuário.

Fonte: Moto